Desde que o vocábulo homofobia se tornou popular, a palavra preconceito parece que vem perdendo espaço no vocabulário dos gays. É como se o conceito de preconceito tivesse se tornado 'light' demais.
Preconceito e homofobia têm significados diferentes. Embora a primeira esteja totalmente inserida na segunda, o contrário não se aplica.
Essa confusão ficou clara para mim após a leitura da postagem "O que é homofobia?" do Estórias do Mundo. Ainda que Foxx, dono do blog, tenha transcrito alguns conceitos encontrados em dicionários da língua portuguesa,  o desenvolvimento do texto continuou como se preconceito fosse algo do passado. O negócio agora é chamar todo mundo de homofóbico.
Preconceito continua e é um sentimento que pode desencadear uma série de outros ainda mais graves, como a homofobia. Mas confundi-las e/ou vulgarizar a palavra homofobia pode ser muito perigoso para a comunidade LGBT.
Ativistas lutam por igualdade de direitos e para diminuir os discursos homofóbicos de fundamentalistas, políticos oportunistas e até de parte da população que não aceita a homossexualidade. Mas, para isso acontecer, precisamos de leis que, no mínimo, eduquem essas pessoas. É da lei que os gays precisam. Leis de proteção na seara criminal e de igualdade de direitos civis.
Quando acusamos Fulano de homofóbico porque ele verbalizou numa roda de amigos ou conhecidos que não gosta de gays afeminados, seja Fulano gay ou não, se está corroborando falas de pessoas como o pastor Silas Malafaia ou o deputado Jair Bolsonaro - e outras do mesmo saco (ou mala).
Quando Bolsonaro, por exemplo, afirma que os gays querem proteção especial na sociedade, leis próprias, etc, é justamente porque ele acha que a sua liberdade de expressão está sendo tolhida. E ele pretende continuar exercendo o seu direito de não gostar de gays, de segregá-los, repeli-los, afastá-los ou separá-los de seu convívio social. E mais importante: quer livremente expor seus pensamentos com relação à homossexualidade - que é pecado mortal, que não deseja para o filho de ninguém e outros que nós já estamos fartos e carecas de saber. 
Bolsonoro estaria exercendo um direito que lhe assiste, mesmo sendo preconceituoso, se parasse por aí. Mas a partir do momento que usa o cargo de deputado federal, do qual exerce grande influência e apelo político, para denegrir e deturpar a imagem dos homossexuais ou até perseguir grupos, ONG's e/ou ativistas que lutam por direitos dos gays, ele sai da esfera do preconceito e adentra na da homofobia. E é isso que ele e outros da mesma laia fingem não entender porque são homofóbicos.
Perceba a diferença. 
Enquanto expuser ideias e pensamentos sobre os homossexuais, sem perseguir, caluniar, injuriar, difamar, desonrar e/ou agredir física ou moralmente (isso tudo é crime já previsto no Código Penal), ele não poderá ser acusado de homofobia - não poderia de qualquer maneira porque tem imunidade parlamentar. Não estou afirmando que Jair Bolsonaro cometeu todos os crimes acima. São exemplos de contexto. 
Agora, vamos sair desse universo fundamentalista para não ficarmos sem um popular.
Lembra do Fulano que mencionei mais acima? Pois bem, elaboremos uma conversa dele, que seria um gay não afeminado, com os amigos na mesa de um bar GLS.
[Fulano] - Olha aquele cara da mesa ao lado. Por que ele se expressa daquela maneira, tão afeminada?
[Amigo1] - E o que há de errado nisso?
[Fulano] - Não sei se é errado. Isso não me choca e até passa batido, mas não acho legal. Na minha opinião, homens gays que exageram em gestos femininos dessa forma deturpam a imagem dos homossexuais como um todo. É essa a imagem que fica registrada na mente das pessoas menos tolerantes quando se manifestam a respeito da homossexualidade. 
[Amigo2] - Isso é homofobia, sabia?
[Amigo1] - Não, Amigo2. Isso é preconceito! Fulano expôs o seu pensamento e tem todo o direito de fazer isso. Homofobia seria se ele, furioso, invadisse o espaço do cara e tirasse satisfações, ou coisa pior, como se cara tivesse culpa de ser assim. 
Que fique também claro: eu não compartilho com o pensamento de Fulano. É também um exemplo de contexto.
O 'Amigo1' está certo ao questionar o Fulano para este desenvolver seu pensamento. E tem todo o direito.
Não podemos desassociar o conceito popular do jurídico para o vocábulo homofobia, pois de nada adianta impor a homofobia sem leis que a afastem de nós. Pelo contrário, quanto mais vulgarizarmos o termo, mais complicado será para legisladores conceituá-lo em projetos de leis que visem a sua criminalização. Ou seja, quanto mais generalizamos, menos aceitação pública terá uma suposta lei. As pessoas, mesmo favoráveis à criminalização da homofobia, poderiam interpretá-la como equivocada porque foram sugestionadas equivocadamente. 
Por fim, se desejamos criminalizar a homofobia, não podemos sair por aí chamando os preconceituosos de homofóbicos. Se assim fosse, todas as demais espécies de preconceito deveriam também ser criminalizadas. 

16 comentários:

  1. IRRETOCÁVEL! PARABÉNS!

    E, em minha singela opinião, homofobia (como toda fobia) é a patologização de um preconceito.

    ResponderExcluir
  2. pois eu considero que seu texto precisa de muitos retoques, MUITOS. e que fique claro isso não é uma opinião pessoal, é uma definição trabalhadas por inúmeros historiadores, sociólogos, antropólogos e psicologos, que vc não está levando em consideração.
    Então deixe-me apontar o seu erro: homofobia não é só a perseguição, calunia, injuria, difamaçã, desonra e/ou agressão física ou moralmente a homossexuais, tudo isso é o resultado da homofobia. O crime cometido tem motivação homofóbica, ele não é homofobia. Segundo o seu texto, homofobia é o crime, é a homofobia que vai ser criminalizada, e ela não vai, o que vai ser criminalizado é a motivação homofóbica de um crime que já está inscrito na lei, o que não está é o motivo.
    Entende no que seu texto peca? Ele não fala minimamente no problema, ele discute sobre o resultado. Fazendo uma analogia, vc está discutindo o que é caipirinha, mas homofobia (o que eu estou discutindo) é o limoeiro. Você está discutindo como se faz uma caipirinha, eu estou falando sobre como se planta um limoeiro, por isso não nos entendemos.
    Então, o que é homofobia, o que gera estes crimes que vc insiste em dizer que é homofobia. Homofobia é a imposição de um modelo de comportamento para todos os homens do mundo, um modelo de comportamento machista que diz que os homens devem se comportar de tal maneira. Todos aqui sabem que maneira é essa que o comportamento machista ensina, e que os gays efeminados fogem desse padrão, o que eu critico, e sempre criticarei é o fato de que quando os gays tb criticam os efeminados eles entram no discurso homofóbico heterossexual no qual tem que impor uma única forma de ser homem entre todos os homens do planeta, quando critiquei sua última postagem era isso que eu queria dizer, eu não vejo homofobia na agressão de alguém, eu vejo homofobia quando a pessoa acha que fulano está errado porque existe um modelo de comportamento de homem.
    Desculpe-me se agora eu parecer pedante mas eu tentei reescrever isso mil vezes e não há outro jeito de dizer isso: eu não estou vulgarizando o termo "homofobia", eu o uso na sua acepção correta. Ironicamente, vc que está usando uma acepção vulgarizada pela mídia do termo (e todos junto com vc) acreditando que sabem do que estão falando. Desculpe novamente pelo tom pedante.

    ResponderExcluir
  3. Deixa ver se entendi, então, quer dizer que homofobia é quando partem pra vias de fato? Quer dizer que agora os gays efeminados podem ser alvo de chacota que tudo bem, ser preconceituoso? Ou então eles devem mudar porque determinado grupo não gosta deles por serem assim? Desculpa ai amigo, mas isto ta parecendo papo de carioca que não pode sair na rua sem fazer cara de marrento. Espero que você ainda seja um bom e gostoso baiano!
    Mwah!

    ResponderExcluir
  4. Foxx, já expomos nossos pontos de vista de forma clara e até exaustiva. Creio que, a esta altura, não compete pontuar parágrafos, frases ou palavras isoladas para mostrar que um está certo numa coisa ou outra.
    Só lamento que você se utilize desse recurso para impor as suas ideias. E pior, colocoando palavras e entendimentos no meu texto que não existem, como: diizer que estou confundindo os crimes que citei como homofobia. Só mesmo alguém sem discernimento acreditaria nesta acusação.
    Façamos assim, respeitarei a sua opinião, assim como quero que respeite a minha.

    ResponderExcluir
  5. Tem pessoas que adoram ver pelo em ovo, é isso, Junior. E, cá entre nós, esse comentário do Serginho é o que? Preconceito ou cariocofobia? (kkkkk)

    ResponderExcluir
  6. Serginho, gosto de você e respeitarei a sua opinião.
    Agora, se você tivesse prestado atenção ao que acabou de ler teria percebido que no diálogo dos três amigos, elaborado como exemplo, está claro que invadir o espaço de outra pessoa para desrespeitá-la pelo simples fato de ser ela afeminada, gay, preta, amarela, ou seja lá por que motivo for, e, principalmente, se for uma invasão agressiva- tanto em termos morais quanto físicos -, é claro que é homofobia.
    Faça o seguinte: leia o texto de verdade. Não pare na primeira frase que por acaso, não tenha gostado. Leia com calma e atenção. Creio que vc está comentando algo que não leu.
    E, por gentileza, peço que atenha o seu comentário ao que está no texto, pois, de outra maneira, interpretarei como ofensas pessoais. Não é crível que você, lendo um texto sobre preconceito, escreva um comentário dessa natureza: distinguindo caráter das pessoas por questões regionais. Isso é preconceito de sua parte (mas não é homofobia).

    ResponderExcluir
  7. Cesinha, pensamos juntos a mesma coisa (rs). Ou quase. Não diria cariofobia, mas um preconceito a cariocas.

    ResponderExcluir
  8. O termo homofobia está vulgarizado e ponto! Você tem razão em Ju, quando diz que tudo agora é homofobia e que a palavra preconceito parece coisa do passado... Eu não vou entrar em pormenores da minha opinião para não ser tachado de preconceituoso e ter gente vomitando por aí mas, te digo uma coisa, como GAY que
    GRAÇAS A DEUS eu sou, eu DE-TES-
    TO a forma como os gays estão se comportando ultimamente. Parece que a grande maioria está se tornando aquilo que a sociedade moralista pensa... para ser mais claro, muitos gays estão personificando o pensamento preconceituoso das pessoas e isso eu acho ridículo.Quando existe respeito, não existe preconceito, penso assim e me desculpe se fugi um pouco do tema do seu texto, que como sempre, está incrível. Não faço isso pessoalmente porque não posso, mas você sempre terá os meus aplausos. Bjo querido!

    ResponderExcluir
  9. Só para concluir, Junior, eu não estou IMPONDO minhas ideias, nunca foi meu objetivo. Eu apenas fiz uma afirmação. Infelizmente a unica forma de dizer que alguém está errado é dizer onde está o erro. Espero, sinceramente, que me perdoe por isso, prezo muito sua amizade.

    ResponderExcluir

  10. Eu confesso que ando horrorizado com essa discussão toda e cada dia mais eu tenho certeza absoluta que a gente tah muito longe do ideal.. Nos satisfazendo que o hoje é melhor que o ontem comparando o ruim com o pior ainda.. Mas estamos há léguas de distancia...

    Pra variar achei o Foxx foi perfeito nas suas colocações, o exemplo do limoeiro e da caipirinha está mais didático impossível.... E é aquilo, minha gente.. Se a homofobia estivesse presente apenas na agressão, ela já tava criminalizada.. Pk ng pode me meter porrada por quaisquer motivo. Certo???

    Veja bem Junior, qdo vc categoriza o desgostar de afeminados como uma questão de gosto e opinião, ignorando os motivos desse desgostar, simplifica e empobrece toda trama que leva a isso.. A gente tá falando de uma construção histórica... É a mesma coisa deu achar que o fato de que a maioria das pessoas acharem mais bonito o padrão de beleza branco seja apenas uma questão de opinião, livre de toda trama social que leva a isso.

    Da mesma forma que vc acha que homens que carregam na feminilidade deturpam a imagem dos homossexuais eu tb acho que a maneira que vc enxerga essa condição, mais do que deturpar estigmatiza e presta um desserviço a comunidade homossexual... Dessa maneira rejeito o seu posicionamento enqto homossexual, da mesma forma que vc rejeita esses gestos dos afeminados... E pk então a sua rejeição a uma determinada prática representa a homofobia e a minha rejeição não???

    Pelo simples fato de que historicamente vincula-se trejeitos a homossexuais e somos educados para rejeita-lo.. O mesmo não ocorre a cerca da negação do seu discurso.. Muito pelo contrário.

    A lógica que permeia seu pensamento é a mesma que permeia a do "dia do orgulho hetero"... Quando eu digo que tenho orgulho de ser gay eh "orgulho" no sentido de nao ter vergonha de ser gay. Agora, o cara me diz que nao tem vergonha de ser hetero...Pera. Ele nao tem vergonha de ser hetero...okay...e pq teria se isso eh aceitável?

    Entende isso??? Ai eu vou perguntar.. "eu não posso preferir brancos do que negros pra me relacionar???".. "eu n posso preferir sarados do que gordos???", "eu não posso preferir o sotaque do sul ao nordestino??", "eu não posso preferir homens com uma postura mais ""masculinas""" do que afeminados???"... Bem.. Poder vc pode, o que vc n pode é querer dizer que esses pensamentos são livre das tramas preconceituosas que formam nossa sociedade.. E achar que essas preferencias estão apenas vinculadas a um fator intrapsíquico totalmente desconectado da cultura que tá inserida...


    Não é possível que vc n enxergue que no momento em que o amigo1 diz que o gay afeminado deturpa a imagem dos gays como um todo e que isso fica registrado na mente de pessoas menos tolerantes ele está tentado adaptar o estereotipo homossexual as "pessoas menos tolerantes".. Ele acha que essa figura deve abrir mão da maneira que se porta para se enquadrar num estereotipo de homem de uma sociedade heterossexista, falocêntrica e pk não dizer.. Homofóbica....

    ResponderExcluir
  11. Olá, Gato Van, obrigado pela sua participação.
    Elaborei uma reposta ao seu comentário, mas o blogger 'engoliu' sem publicá-la. Creio que foi porque transcrevi cada parágrafo do seu comentário para responder a todos individualmente.
    Enfim, não tenho cabeça agora para refazer tudo novamente, mas n'outro momento o farei, ok?
    Abraços.

    ResponderExcluir
  12. Junior, eu li muito bem o seu texto. Não sou como alguns blogueiros que não leem absolutamente nada e apenas elogiam porque querem "puxar o saco" ou que criticam sem ler porque não gostam da pessoa. Como sempre foi notório que eu gosto de você, é mais correto que eu leia seu post e faça um comentário justo e digno, certo? O que acontece com o seu post é que ele está confuso e, talvez, você mesmo não observe isto, mas está deixando claro que preconceito pode, homofobia não. É isto que ele deu a entender. Acredito que você não foi feliz na forma como o desenvolveu dando margem a este tipo de interpretação.
    Você também nao entendeu meu comentário, foi irônico? Sim, foi mas ele retrata bem o que seu post quis dizer para mim, entendeu?
    Beijos

    ResponderExcluir
  13. Serginho, se a postagem está "confusa" (?) porque "está deixando claro" (!?) que "preconceito pode" ---- no sentido de não ser um sentimento passível de ser criminalizado ---- e "homofobia não" --- no sentido de ser um sentimento que desencadeia ações que são criminalizadas, então não vejo confusão alguma.
    Parabéns, você entendeu perfeitamente.

    ResponderExcluir
  14. Nossa, gente.. Vontade de matar o blogger qdo faz isso...

    ResponderExcluir
  15. Nossa... quase tive um orgasmo com esse post. Parabéns, Junnior. Felizmente ou infelizmente, eu penso um pouco como o FUlano. Pode ser por culpa da minha criação ridícula na classe média( que fede ) ou por pura limitação mesmo. Ao conviver mais com os chamados " efeminados " passamos a reparar menos no que nos incomoda. Acontece comigo,nesse momento. Bjs. E cariocas são bonitos, cariocas são bacanas, cariocas são sacanas, cariocas são dourados... :D

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.