Recentemente acompanhamos as campanhas de conscientização dos eleitores de quatro estados norte-americanos que votaram no referendo contra ou a favor do casamento civil entre pessoas do mesmo sexo, popularmente chamado de casamento gay.

Dos quatro estados, três obtiveram a aprovação eleitoral: Maryland, Washington e Maine. Os eleitores de Minnesota preferiram manter a emenda constitucional que estabelece o reconhecimento legal do casamento apenas o firmado entre um homem e uma mulher.

Para entender o referendo do casamento gay nos E.U.A., leia: 'Referendo Sobre Casamento Gay'

É uma confusão porque não existe lei federal para por uma pá de cal na questão.

Por outro lado, é crescente a aceitação do casamento gay entre cidadãos norte-americanos, mesmo levando em conta que são 31 estados, entre os 50 mais a capital federal, que o rejeitam.

Quem não está gostando nada são os gays desses 31 estados. Inconformados, alguns lançaram uma campanha na qual dão ultimato aos homens heterossexuais: "Vamos casar com as suas namoradas porque vocês não querem aprovar o casamento gay". Segundo eles, um sacrifício que valerá a pena em nome de toda a comunidade.

No vídeo acima eles expõem argumentos segundo os quais as mulheres preferem casar com gays ao invés de conviverem com heterossexuais machistas, pois os gays:
a) são mais bonitos;
b) são mais cheirosos e estilosos;
c) sempre têm bom gosto, inclusive para deixá-las mais ainda bonitas;
d) gostam de cozinhar, de dançar e de malhar;
e) adoram exposições e concertos;
f) são bons ouvintes e um ombro para chorar;
g) são melhores genros e conquistam mais as sogras.

O único contraponto que torna os homens heterossexuais fortes concorrentes é o sexo. Contudo, eles também apresentam uma solução imbatível. Como bons conhecedores de todos os segredos das 'esposas', inclusive os mais sórdidos, eles afirmam saber o que elas adoram na cama e não se importariam nem um pouco de partilhar o sexo com outros homens num 'ménage a trois'. Assim, os homens héteros não passariam de meros objetos sexuais, mas, neste caso, a concorrência entre eles pode ser acirrada.

A ameaça aos homens heterossexuais é clara: 'Se a nós gays for permitido o casamento, estamos lhes fazendo um favor em deixar mais mulheres livres para vocês, porém, se continuarem intransigentes, nós vamos realmente nos casar com suas namoradas. Não permitam isso. Apoiem o casamento gay."

Isso me lembrou a música "Jorge Maravilha", de Chico Buarque. A letra tem aquele tom provocante da campanha acima, mas o trecho transcrito foi adaptado por mim. Confira se não é um encaixe. No vídeo, a canção é interpretada pela banda Playmobille.
E nada como um tempo após um contratempo
Pro meu coração
E não vale a pena ficar, apenas ficar 
Chorando, resmungando, até quando, não, não, não
E como já dizia Jorge Maravilha
Prenhe de razão
Mais vale uma mulher na mão
Do que dois homens voando
Você não gosta de mim, mas sua mulher gosta
Você não gosta de mim, mas sua mulher gosta
Ela gosta de dançar, de dengo, de sair e de cócega
Ela pega e me pisca, belisca, petisca, me arrisca e me enrosca
Você não gosta de mim, mas sua mulher gosta
E nada como um dia após o outro dia
Pro meu coração
E não vale a pena ficar, apenas ficar 
Chorando, resmungando até quando, não, não, não
E como já dizia Jorge Maravilha
Prenhe de razão
Mais vale uma mulher na mão do que dois homens sobrevoando

7 comentários:

  1. Oi Junior, tudo bem? Só uma retificação no seu texto. A emenda que foi à votação em Minnesota era um pouco diferente da dos outros estados. Aqui a proposta era fazer constar da constituição estadual o conceito de que casamento era apenas entre homem e mulher. E a maioria dos eleitores rejeitou essa proposta que tinha a finalidade de garantir essa definição de casamento, entende? Era uma estratégia dos conservadores, que não deu certo.

    ResponderExcluir
  2. Oi Cesinha. Estou bem e vc? Obrigado pela sua contribuição.
    Todos os referendos que aconteceram nos estados norte-americanos sobre o casamento gay foram extensivos à emenda constitucional que estabelece o casamento apenas o firmado entre homem e mulher. Esse é o teor da 'Amendment One' (Emenda 1), elaborada em 2011 com o propósito de ser submetida à votação popular para ser inserida em todas as constituições estaduais.
    Portanto, os eleitores de cada estado votaram para confirmá-la ou rejeitá-la através dos respectivos referendos. Pelo que eu estou sabendo, os eleitores de Minnesota votaram a favor dela, ou seja, contra o casamento gay.

    ResponderExcluir
  3. Oi... então, segue o texto e o resultado da votação

    Text of Measure

    The question, along with the measure's ballot title, was presented to voters as follows:

    Limiting the status of marriage to opposite sex couples.
    "Recognition of Marriage Solely Between One Man and One Woman."
    YES (47,6%)
    NO (53,4%)

    A proposed constitutional amendment to write man-woman marriage into the constitution has lost. The defeat is historic, making Minnesota the second state to turn back an attempt to write man-woman marriage into a state constitution.

    Dá pra entender a diferença?

    ResponderExcluir
  4. Oi Cesinha, então a maioria dos eleitores dos últimos 4 estados (Maine, Maryland Washigton e Minnesota)votou contra a emenda constitucional?
    Eu havia entendido que em Minnesota predominaram os votos pela inserção da emenda naquele estado, ou seja, estabelecendo o casamento apenas o firmado entre 1 homem e 1 mulher.
    Então, fica registrada a sua retificação e a informação aos demais leitores de que os 4 estados aprovaram o casamento gay e não somente os três, como afirmado na matéria.
    Obrigado pelo esclarecimento.
    Bjaum proc.

    ResponderExcluir
  5. Eu, de novo (kkkkk)… então, quando Minnesota rejeitou a emenda, isso não quer dizer que o casamento gay foi automaticamente aprovado. É como uma vitória parcial, um passo anterior ao que aconteceu nos outros 3 estados que você citou, onde se fez um referendo específico sobre o assunto. Como exemplo, segue o que foi aprovado no Maine.

    The ballot language that voters saw on the ballot read as follows:

    Do you want to allow the State of Maine to issue marriage licenses to same-sex couples?

    Do you favor a law allowing marriage licenses for same-sex couples that protects religious freedom by ensuring no religion or clergy be required to perform such a marriage in violation of their religious beliefs?

    Agora dá pra entender? O povo aqui é bem complicado mesmo (kkkkk)

    ResponderExcluir
  6. Sim, deu pra entender. Só não é passível de compreensão a forma pela qual Minnesota está realizando o referendo do casamento gay mesmo levando em conta a intensidade da autonomia/independência dos estados norte-americanos (mais ampla do que a dos estados brasileiros).
    Referendo é referendo, ou seja, faz-se a lei antes e a população vota contra ou a favor dela depois.

    ResponderExcluir
  7. Puxa vida que confusão né?? entendi que:
    Nos outros 3 estados o casamento gay é permitido e protegido por lei enquanto que em Minnesota isso ainda não acontece(a lei de proteção e direito), mas, "casamento" não significa apenas "homem/mulher" (o passo antes da lei)...é isso Cesinha e Junior?
    Abraços aos dois

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.