Gostaria de ter escrito essa beleza de texto. São palavras essenciais ao amor, portanto sem sexo definido. 

O título original é "How I Know I Love You". A autora é Mila Jaroniec, escritora de Nova York. Seus contatos: "Thought Catalog".

[Traduzido e adaptado.]

"Eu sei que te amo porque eu quero cuidar de você quando estiver doente. Eu não quero fazer isso para você, mas por você. Assim, você pode comer algo feito com amor, ao invés de com insetos esmagados e conservantes. 

Eu sei que te amo porque eu quero dar uma bofetada em quem te machuca, mesmo que seja o seu chefe.
Eu quero te abraçar quando você tem um pesadelo e beijar onde dói quando se esbarra em algo. 

Eu sei que te amo porque eu quero que você seja saudável, mesmo quando não está doente. E é por isso que eu continuo incomodando quando mudo seus hábitos alimentares ruins, embora eu saiba que você não quer mais ouvir falar sobre isso.

Eu sei que te amo porque eu me preocupo com coisas que somente pessoas que gostam de você se preocupam, como a quantidade de qualidade de sono que você deve ter numa noite; o quanto você bebe quando está triste e se você está absorvendo quantidade suficiente de vitamina B. Provavelmente é mais do que a sua mãe faz, pois não não tenho certeza de que ela se preocuparia especificamente com a vitamina B. 

Eu sei que te amo porque eu surto quando você está obviamente teimando com os seus intermináveis "eu estou bem" até realmente ir ao médico, apesar de eu também fazer esse tipo de coisa.

Eu sei que te amo porque eu acho que você é lindo, mesmo quando você não está. Eu não me refiro à aparência, eu quero dizer bonito. Bonito como algo penetrante e magnético que surge mesmo quando você você está positivamente ruim. Eu acho você lindo mesmo quando está de ressaca e vomitando suas tripas, coberto de urticária, ou quando a metade do seu rosto está roxa e inchada porque você dá uma de personagem do Clube da Luta e se soca com vontade no olho. Eu sei que eu te amo porque eu acho você lindo mesmo quando está fantasiado de crocodilo, e este não é um de seus 'looks' mais legais.

Eu sei que te amo porque eu não posso te abandonar... Nem mesmo quando você está sendo um idiota. Nem mesmo quando está com dez pés no meu saco. Normalmente eu não suporto esse tipo de comportamento, mas eu te amo e entendo que você está estressado, frustrado ou com algo parecido a tensão pre-menstrual, por isso deixo pra lá um pouco. Mas também amo o suficiente para gritar quando você está passando dos limites. Eu sei que te amo porque somente pessoas que amam se importam e se manifestam sobre um mau comportamento ao invés de nada dizerem e apenas te chamarem de babaca pelas costas.

Eu sei que te amo porque eu quero ouvir, realmente ouvir. Eu não tenho outro lugar para estar que me impeça de esperar um tempo para te ouvir. Eu não checo mensagens do Iphone nesse momento. Aliás, eu desligo e enfio o telefone entre as almofadas no momento em que você disser que precisa de mim. Estou aqui para você. Qualquer outra coisa pode esperar.

Eu sei que eu te amo porque eu estou realmente preocupado com a forma como a sua vida evolui. Não é um "be happy" que estou falando, ou toda aquela babaquice vaga de autoajuda: "todos numa mesma direção" para a paz interior. Eu quero que você se expresse, que esteja realizado e se sinta vivendo a vida por uma boa razão e não apenas para passar o tempo. Eu quero que tudo aconteça em sua vida da maneira que tem que ser. E quero estar lá para isso - por acaso com champanhe para brindarmos.

Eu estou genuinamente convencido de que eu te amo porque desejo fazer coisas com você que eu não quero fazer com ninguém, nunca. Exemplos: cuidar de seus filhos pegajosos quando você os tiver.; trazer água gelada e cuidar de você quando beber demais como um idiota. Eu estarei lá pacientemente com uma câmera de vídeo na mão para quando você grampear piranhas em seus mamilos tentando imitar os 'Jackass'. Tudo isso e mais. É assim que eu sei que te amo. E é assim que eu quero que você saiba disso."

6 comentários:

  1. e quem não gostaria de ter escrito isto né? perfeito e magnificamente belo ...

    bjão

    ResponderExcluir
  2. Ué, mas pelo menos você falou pra ele que você tem esse blog?

    ResponderExcluir
  3. primeiro, o texto é lindo, eu queria ter para quem manda-lo, agora (segundo) se o senhor tem o que está esperando para escrever uma carta ou mandar um e-mail com esse texto para ele, Junior? não perde essa oportunidade, meu amigo, ter alguém a quem desejamos desse jeito é um privilégio, não o desperdice.

    ResponderExcluir
  4. Meus queridos, a complexidade e amplitude do(s) sentimento(s) que esse texto transmite ultrapassa o campo da paixão. Eu me refiro ao amor puro, singelo, casto, que só a convivência ao extremo é capaz de proporcionar. Por isso esse texto me tocou tanto. Quem vive (ou viveu) um amor verdadeiro e incondicional entende. E um dia vocês entenderão.

    ResponderExcluir
  5. Ju, não consegui ler tudo. Juliano bateu "dicunforça" nas minhas memórias e começou a doer. Doer muito. Um tipo de dor que eu vido para seguir em frente. Não vou te dar conselho, mas te digo, faça o que o seu coração mandar, sempre. Beijão.

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.