Pois é. De novo! É para arrematar, acabar, por uma pá de cal sobre o tema, pois deu muito pano pra manga, esgotou (mas gerou muita discórdia).
De maneira popularesca, sem 'juridiquês'. Seguinte. Tudo começou porque um rapaz chamado Frederico, supostamente gay, escreveu em seu blog que não gosta de gays afeminados. Foxx, por sua vez, não gostou e fez uma postagem na qual o chamou de homofóbico. Daí, vieram os posts do Identidade G.
Os textos do IdG (links no final desta postagem) ressaltam que o sentimento das pessoas que se separam dos gays (afeminados ou não) é preconceito e não homofobia. Elas não conseguem se socializar com gays afeminados porque foram educadas por uma família preconceituosa; porque nasceram e vivem num país (Brasil), estado e/ou cidade onde imperam a cultura machista; porque desde pequenas seus professores e coleguinhas caçoavam dos afeminados. Enfim, por estas ou várias outras razões ligadas ao império machista que as tornaram adultas gays [ou não], machistas e preconceituosas.
Até aí concordamos todos, né?
Por outro lado, note que os motivos citados acima são todos alheios ao discernimento de um indivíduo nessas condições. São alheios a sua consciência própria porque são estereótipos enraizados por outras pessoas preconceituosas devido aos anos de convivência. Aquelas pessoas não tiveram a oportunidade (seja por que motivo for), que talvez ele ainda tenha, de desenvolver e viver experiências diferentes. A partir de uma nova vivência, ele poderá descobrir um mundo diferente (não somente no aspecto geo-físico) onde há homens afeminados, inteligentes, bonitos, bem-sucedidos e felizes. E existem outras pessoas, héteros ou gays, que também estão felizes e em harmonia com aqueles gays felizes e afeminados. Onde há vida além do preconceito.
Os Fredericos da vida são preconceituosos? São. Mas há Fredericos preconceituosos que não gostam ou não querem ser. Talvez ainda não tenham a consciência clara de que a vida com essa base é uma vida perdida - perda de chances de conhecer pessoas legais que passam e passarão despercebidas (ou mal percebidas) enquanto eles não se resolverem.  
E por que esses Fredericos não se resolvem? Porque aquela educação machista ainda está  implantada em suas cabeças. Não conseguiram se libertar porque o processo demandará décadas, caso não tenham condições de abreviá-lo por meio de terapia. De qualquer maneira, a vida se incumbirá. Cedo ou tarde.
Eu me encaixo perfeitamente nessa descrição. Já fui um gay que não gostava de sair, de falar, de conhecer, enfim, de conviver com gays afeminados. Era preconceituoso convicto. Hoje, tenho plena consciência do quanto deixei de viver entre os 17 aos 30 anos de idade, do quanto perdi de vida intensa e livre. Sopeso em minha consciência pessoas que eu prejulgava, preconceituava e hoje passam por mim felizes, bem-sucedidas, cheias de amigos legais e mal se lembram da minha existência. O tempo me mostrou que elas já eram assim desde a época em que tentaram se aproximar, mas eu não as enxergava além dos traços e gestos afeminados.
Durante aquela década (um pouco mais), posso afirmar que nunca odiei gays afeminados. Até os defendia quando alguém comentava algo de modo pejorativo. O problema pra mim, naquela ocasião, era ser visto e relacionado ao gay afeminado por alguém do trabalho, da academia, do meu prédio, etc. Pelas pessoas que não sabiam que eu sou gay -  ou que eu achava que não. Chegava a pensar e a verbalizar coisas do tipo: "Poxa esse cara é legal, mas não dá pra andar com ele. É 'queimação' de filme".
Agora, pera lá! Chamar um cara de criminoso por causa disso é outra história com a qual não posso nem devo concordar.
Sim, homofobia é crime. Não ainda previsto como tal no Código Penal - por uma questão de tempo. Porém, enquanto isso se resolve, as pessoas têm que entender que o ódio gerado pela homofobia sujeita o indivíduo a outros crimes. Se homofobia não é crime em sua origem o é pelo seu fim: o de levar pessoas a vários crimes gerados por esse ódio desmensurável.
Por fim, carreguei no 'juridiquês' nas postagens anteriores, sim, mas foi com intuito de evidenciar aspectos legais que deixam a homofobia no lugar onde deve ocupar e permanecer: na relação de crimes hediondos do direito penal. E ponto final. Não quero mais falar sobre esse assunto.

17 comentários:

  1. eu concordo com absolutamente tudo o que vc disse, Junior, EXCETO qndo vc diz que homofobia é o crime, porque segundo todos os estudiosos sobre o assunto homofobia é o que gera o crime, isto é, a educação machista que gerou a pessoa preconceituosa que vc cita. Segundo os especialistas na área, homofobia é o processo de criação de alguém sob viés machista que gera preconceito contra homossexuais. Sua chave de raciocínio é:
    EDUCAÇÃO MACHISTA gera PRECONCEITO que gera HOMOFOBIA
    A chave de raciocínio que estou tentando explicar, diz:
    HOMOFOBIA gera EDUCAÇÃO MACHISTA que gera PRECONCEITO que gera CRIME HOMFÓBICO
    será que você me entende agora?
    e sim, acho que vc concluiu magnificamente a discussão.

    ResponderExcluir
  2. Errado, Foxx. A minha "chave de raciocínio" é: preconceito NÃO GERA homofobia (necessariamente, não). E homofobia GERA crimes.
    Será que você não entendeu ainda? Jesus Cristo.

    ResponderExcluir
  3. Concordo com você Junior.... Não é porque a pessoa "não gosta" de gays efeminados que ela necessariamente quer atacá-la ou pior. Ou seja, não será homofóbica porque não gosta.
    Um não é necessariamente fato gerador do outro.
    bjs

    Ps: colocando leitura em dia.

    ResponderExcluir
  4. Aaaaaaaaaaaaaah agora sim meu amigo! Você arrematou as pontas soltas que seu post anterior deixava.
    Concordo com o que você disse aqui e estou esperando seu comentário em meu blog já que você é citado!

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Margot. Mesmo que no final do seu comentário vc dissesse que não concorda, eu ficaria feliz do mesmo jeito. Resumidamente vc expôs o meu raciocínio e uniu à sua opinião que, por acaso, coincide com a minha.
    Obrigado por registrar. Bjaum.

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Só não entendo o porquê das pessoas confundirem Homofobia com Preconceito. Eu tinha um amigo que sabia confundir essas duas coisas muito bem. Mas a sua opinião está corretíssima.

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  8. Lord Nico. Valeu por registrar seu ponto de vista.

    ResponderExcluir
  9. Rapaz, brilhante! Espero (ardentemente!... rsrsrs) que não haja dúvidas pairando pelo ar. As pessoas esquecem que fobia é sintoma extremado de preconceito... enfim, tudo isso você escreveu claramente. Preconceito é questão cultural e de educação. Fobia é questão legal e, talvez, médica. Nada a acrescentar.

    ResponderExcluir
  10. Perfeito! Sabe, eu acho que me acostumei a viver perto de vespeiros! (kkkkk)

    ResponderExcluir
  11. Lucas matou a questão em poucas palavras ... nada a acrescentar ... FOBIA é caso para cadeia e/ou psiquiatra ...

    ResponderExcluir
  12. Lucas e Paulo: nos 3 textos elaborados sobre o tema não entrei no mérito da fobia associada à patologia mental, mas à aversão contra gays motivadas pelo ódio puro.
    A razão para isso é a questão da inimputabilidade do doente mental. Se o juiz acata a tese da defesa, que alega o transtorno mental como fato gerador do crime, o réu se livrará da pena e passará por tratamentos psiquiátricos até os médicos o avaliarem como curado/ controlado. Aí, estará livre para conviver em sociedade novamente.
    Não acredito que a fobia do homofóbico esteja inserida nesses termos, mas à repugnância e ao ódio externado. Um homofóbico tem plena consciência do que faz.

    ResponderExcluir
  13. Jr. amei o post e me remete sobre algo que eu li algum tempo atras sobre porque as pessoas tem este comportamento: simplesmente porque nos crescemos sem este exemplo na nossa frente. O que e' ser gay? Hoje a nova geracao tem isso abertamente em livro, fillme, TV, (no entanto alguns programas brasileiros continua o estereotipo)... mas a nossa geracao cresceu com alguns exemplos que eram massacrados pela midia.
    Vc falou em Brasil, mas por aqui, o preconceito e' o mesmo entre os gays, e estou falando da california um dos lugares mais gays dos Estados Unidos. Apps como Grindr ou Scruff estao cheios de caras que escrevem "no fems"... coisa de 80%. Isso porque a maioria ainda tem aquela mentalidade que alguem vai descrobrir que ele e' gay. Portanto, para mim nao existe crime maior do que crescer com esta mentalidade e nao fazer nada para mudar. Como vc ressaltou vc perdeu uma grande parte da sua vida tentando se defender destes "tipos".Quer crime pior do que ter esta mentalidade e nao conseguir se livrar e ser feliz porque um esta mais interessado no que as pessoas podem pensar sobre ele e nao o que realmente ele pensa de si mesmo?
    Uma otima semana proce gato. Bjks

    ResponderExcluir
  14. Perfeita a conclusão.
    Pra mim, mais importante do que conceituar cientificamente, é deixar claro que (na minha opinião) tudo isso nasce da falta de respeito ao próximo, falta de respeito à liberdade do outro ser o que é, porque ninguém é o que é por querer ser, mas por ser o que sempre foi. Melhorar, evoluir, é uma opção de cada um.
    De muita coisa bonita escrita a respeito, vou ficar com esse trecho do seu texto final: "... perda de chances de conhecer pessoas legais que passam e passarão despercebidas (ou mal percebidas)..."

    Abraços

    ResponderExcluir
  15. Oi, Alex. Obrigado. Você sempre tem as palavras certas (no sentido de nos confortar) - seja em comentários ou nas suas postagens.

    ResponderExcluir
  16. Generosidade sua, meu caro.
    Não é conforto, não, Junnior.
    Apenas reconhecimento.
    Abração e bom fim de semana!

    ResponderExcluir
  17. E eu quando criança achava que minha luta seria contra os héteros preconceituosos, fanáticos religiosos entre outras criaturas intolerantes.
    Quando me torno adolescente, principalmente após começar a usar a internet cotidianamente , descubro eu que minha maior luta , na verdade, seria contra outros homossexuais , que em boa parte, tentam de formas baixas e discriminatórias, vexar outros gays pela diferença em seu modo de agir. Juro que sofri um impacto ao descobrir esse mundo de preconceito que impera o meio gay. Acho muito mais fácil eu ser discriminado por outros gays do que por héteros. Mas logo que comecei a estudar e pesquisar o por quê de tanto falso moralismo, minha raiva e indignação transformou-se em COMPREENSÃO. Eu sei que por trás de um gay preconceituoso existe uma família intolerante, existe uma subcultura machista, existem medos, existe a falta de aceitação própria, existe uma bolha de conhecimentos. São pessoas que se fecharam em sua própria ignorância e que com arrogância quer passar para o mundo uma imagem forçada para agradar sociedade, deus, o diabo e não sei mais quem. E nem que tenha que pisar (ou tentar pisar) em outras pessoas para se colocar em evidência tomando para si o falso moralismo e pisoteando senão a própria personalidade .

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.