A matéria a seguir foi escrita por Luis Fernando Veríssimo para o Jornal O Globo (24.01.2013)

O discurso de reposse do Barack Obama foi uma litania previsível de boas intenções, como todos os discursos de posse, mas teve algumas novidades. Nunca antes na história a palavra “gay” — ainda mais as palavras “nossos irmãos e irmãs gays” — tinha aparecido num discurso inaugural.

Barack, que minutos antes fizera seu juramento com a mão esquerda em cima de duas bíblias (outra novidade), uma que pertencera ao Lincoln e a outra ao reverendo Martin Luther King, para não haver dúvida sobre o contexto maior da solenidade, incluiu o movimento “gay” entre as minorias (negros, latinos, imigrantes) e uma maioria (mulheres) ainda discriminadas.

E pela primeira vez na história a questão ambiental, ignorada por presidentes anteriores e pelo próprio Baraca até agora, mereceu mais do que duas ou três frases no discurso.

Mas a maior novidade de todas, e a mais politicamente relevante, foi a evidente mudança no tom do presidente em relação ao seu discurso de posse anterior e ao seu comportamento, moderado e conciliador, no primeiro mandato.
O seu centrismo assumido decepcionou muita gente, apesar de ser uma óbvia manobra para governar com uma oposição republicana majoritária no Congresso e em muitos casos vitriólica.

Mesmo com sua retórica convencional, o novo Obama, com as outras novidades do seu discurso e com seu novo tom, deu o recado: agora vai ser diferente. Agora vocês verão o Obama que todos esperavam há quatro anos. “Agora sim” poderia ser o título do discurso.

Os republicanos continuam com maioria na câmara dos deputados e muitos dos novos eleitos são da linha do Tea Party, ultrarreacionários dispostos a serem ainda mais chatos.

O presidente pode não cumprir a promessa do novo tom e decepcionar outra vez, mas agora não precisa se preocupar com a reeleição e conta com a reação dentro do próprio Partido Republicano à sua ala maluca, depois do fracasso do seu candidato no pleito presidencial.


ARMÁRIOS VAZIOS

Entre as bandas que participaram do desfile em frente à Casa Branca estava a Lesbian and Gay Band Association, que escolheu um repertório de compositores homossexuais, entre eles Leonard Bernstein e Aaron Copland. Os armários estão todos sendo esvaziados, mesmo retroativamente. O que é formidável.

Um comentário:

  1. Gosto do Obama e fico na torcida para que mudanças ocorram lá... para que outros paises também se toquem.
    Beijos Junior

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.