Elton foi deixado num abrigo no Tennessee (EUA) para ser sacrificado porque seu proprietário achava que ele era gay. Ele foi salvo por um amante dos animais.

Elton, um cão mestiço com características da raça bulldog, foi submetido à eutanásia no abrigo de animais no Tennesse depois que seu dono o encontrou "debruçado sobre" outro cão macho.

Quando a história se tornou viral na internet, a veterinária Stephanie Fryns, que já possui quatro cães e é afiliada ao grupo de resgate de animais, entrou em cena para salvá-lo.
"Eu estou adotando esse garotão. Foi a primeira coisa que fiz esta manhã", escreveu ela. "Ele será castrado, submetido a testes para verificação de seu temperamento e somente depois poderá ser levado para casa."

Não passou muito tempo e Fryns tranquilizou muitas pessoas após escrever que o resgatara do abrigo: "Ele está com muito medo de tudo, o que é compreensível, mas ele amou o passeio de carro." Fryns acrescentou que Elton tinha marcas vermelhas nos ouvidos, mas não pôde afirmar que eram sinais de agressão.

Tudo indica que Stephanie tomou conhecimento do ocorrido na página do Facebook, feita especialmente para Jackson (antigo nome de Elton), a qual conta com mais de 5.400 compartilhamentos e mais de 2.100 comentários de fãs indigandos com a situação do cão. Confira um trecho de uma das publicações na página.

"...Seu proprietário diz que ele é gay! Ele se curvou para outro cão macho e por isso seu proprietário o abandonou se recusando a ter um cão "gay"! Mesmo que não fosse a coisa mais 'assinine' (?) que eu já ouvi, ainda assim é discriminação! Não deixe este cão lindo morrer. Seu proprietário é um ignorante. Isso é um comportamento canino normal! Ele está no canil 10L e será sacrificado amanhã, pois não há lugar no abrigo..."

Um comentário:

  1. qta imbecilidade existe neste planeta terra né? ainda dizem q ele é habitado por SERES ... aff

    bjão

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.