Como vimos antes, Kwame Harris, aposentado da NFL (futebol americano), foi à imprensa se declarar homossexual em prol da causa gay. Agora, é a vez de Robbie Rogers, ex-jogador do nosso futebol (do rei Pelé). Em fevereiro último, ele publicou no Twitter que é gay e que abandonaria a carreira. Em entrevista exclusiva ao jornal britânico "The Guardian", na última sexta-feira (29/03), explicou que os motivos para não continuar são outros. 

Robbie Rogers, de apenas 25 anos, já havia disputado dezoito partidas pela seleção dos EUA, passou pelo Leeds e Stevenage (Inglaterra), pelo Heerenveen (Holanda) e pelo Columbus Crew (EUA), onde conquistou a MLS da temporada 2008. Sua história é bem parecida com a do ex-jogador canadense David Testo (leia em: "Como se assumir gay pode acabar com uma carreira"). Ambos, ainda muito jovens,  não aguentaram a pressão.

Na entrevista,  entre outras revelações, Robbie declarou que convive há pelo menos dez anos com a certeza de que é homossexual, um segredo que o consumia. Confira mais alguns trechos.

"No dia seguinte eu teria que treinar sob os holofotes. Seria como estar num circo. Impossível continuar dessa forma. Se jogasse bem, poderiam dizer: 'o gay jogou bem'. Se fosse mal, falariam: 'está mal porque é gay'. Então, prefiro abandonar".

Imagem: 'The Guardian. Fotógrafo: Tom JenKins
O ex-jogador disse também que não acha o futebol um esporte homofóbico, mesmo não conseguindo perceber o motivo para que outros jogadores gays não assumam: "Há algo ali, é claro. Não dá pra entender o porquê de ninguém ter estendido a mão e de nenhum outro jogador aparecer para falar que também é gay, apesar de todos sabermos que eles existem. Então, obviamente, ainda há muito o que ser feito no futebol para resolver esse problema, certo?"

Entrevista inteira no vídeo abaixo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.