O deputado federal Marco Feliciano é o entrevistado das 'páginas amarelas' da revista Veja dessa semana: "Eu acredito no diálogo". Abra várias aspas a partir de agora e confira alguns trechos da entrevista.

Sem divulgar a idade, Veja o apresenta:
O deputado Marco Feliciano é metrossexual. Calma. a palavra define homens muito preocupados com a aparência, e ele preenche os requisitos básicos: alisa os cabelos, desenha as sobrancelhas, gosta de perfume, usa anel (...)

O senhor está sendo acusado de racismo por ter dito que o povo africano era amaldiçoado  Poderia esclarecer a questão?
(...) Noé lançou uma maldição sobre o filho de Cam, Canaã. Disse que Canaã seria escravo. Naquela época, eu tinha feito um estudo de geografia e vi que os três filhos de Noé é que haviam povoado os continentes da Terra. E de Canaã vieram aqueles que povoaram parte da Etiópia.

O senhor está ciente de que passagens como essa foram usadas para justificar a escravidão em diferentes períodos da história e que igrejas cristãs, católicas e protestantes, já fizeram um mea-culpa disso?
(...) Eu não disse que os africanos são todos amaldiçoados  Até porque o continente africano é grande demais. Não tem só negros. A África do Sul tem brancos. Minha mãe é negra. Se eu fosse estudar, teria direito a cotas. Olha o meu cabelo como é. É todo crespo. E olha que eu dei uma esticadinha. Faço escova progressiva todo mês. Eu gosto dele liso. Minha mãe também faz no dela.

O que o incomoda nos homossexuais?
(...) A minha formação cristã me ensina que o ato homossexual é errado, que é pecado. Eu não aceito o ato, mas aceito o homossexual.

[clichê, não? A partir daqui, o deputado justifica suas opiniões e declarações preconceituosas de outrora, como consequências da perseguição e da pressão que diz sofrer dos militantes gays.]

De que forma?
O homossexual é uma pessoa. Como pessoa eu o respeito, eu tenho carinho por ele. (...) Os militantes gays tentam me destruir pelo simples fato de eu pensar diferente deles. (...)

Não existe lei que faça alguém gostar de pessoas com práticas sexuais diferentes, mas a discriminação com base nisso é ilegal. O senhor acata isso?
Só o fato de eu declarar que sou  contrário não significa que estou discriminando. Eu simplesmente não apoio o ato homossexual. A raça humana para crescer precisa de um homem e uma mulher. O que está havendo é uma discriminação do outro lado. Os meus direitos estão sendo tolhidos: não me deixam trabalhar, não me deixam cultuar (...)

A seu juízo, qual deve ser a punição para alguém que não contrata um homossexual em virtude dessa condição?
É discriminação  Todavia, em se tratando de certas profissões, o sentimento do coração de um pai precisa ser ouvido. Eu sou pai, tenho duas filhas e preciso de uma babá. Uma se candidata e declara que tem orientação sexual diferente....

O senhor contrata essa babá?
Depende do posicionamento dela. (...) Quem fez a decoração da minha casa e organiza o aniversário das minhas filhas é um homossexual. Ele almoça comigo e com a minha esposa. Por quê? Porque é homossexual mas não faz o ato. Porque é ordeiro (...) O problema são os ativistas. Eles ganham para isso. Eles passam o dia todo perseguindo pessoas.

O senhor já pensou na possibilidade de alguma das suas filhas se tornar homossexual?
(...) Elas frequentem um ambiente sadio.(...) Eu ensino as minhas filhas e espero o melhor delas. (...) Eu ficaria triste, mas amaria minha filha da melhor forma.

Durante um congresso evangélico, o senhor disse que a aids é um câncer gay.
(...) eu estava sob muita pressão. Eu sofro ameaças de morte. Os ativistas pressionam muito, até você perder o controle. Se eu disse isso, foi uma colocação um pouco infeliz.

O que o senhor diria sobre crianças que nascem com aids?
Criancinhas não têm culpa de nada. A culpa é dos pais delas.

O senhor se incomoda em ver dois homens se beijando?
É algo que me provoca repulsa (...).

O que o senhor acha da teoria segundo a qual impulsos homossexuais podem desencadear comportamentos agressivos em relação aos gays?
(...) Eu sou o quê, um homossexual enrustido? Isso é um absurdo (...)

Organismos de defesa dos direitos humanos, em geral, existem para proteger as camadas mais desprotegidas. Quais são elas, na sua opinião?
Os gays não se encaixam em minorias. Eles têm os melhores empregos, estão em toda a parte cultural do país  têm financiamento de fundações estrangeiras. Eles têm vez. Eles têm voz. (...) Eu citaria como camadas desprotegidas os matutos que moram nos sertões e são escravizados por senhores feudais, as meninas que são violentadas no Norte e Nordeste, os moradores de rua (...)

O que o senhor, como deputado, propôs para a situação de matutos, meninas violentadas e moradores de rua?
(...) Minha função primordial é não deixar que se aprove o PL 122, o projeto de lei que criminaliza a homofobia (...).

Qual é a proposta do seu grupo?
Que haja limites para o que é discriminação. Para mim, discriminação é xingar a pessoa, não deixá-la trabalhar, praticar violência contra ela e pronto. Já estaria de bom tamanho. (...)

Como tem sido chegar em casa e conversar com suas filhas sobre o que está acontecendo?
(...) Esses dias eu fui pregar em uma cidade e levei minhas filhas. Na frente da igreja havia uns trinta ativistas. Eles chutaram meu carro, fizeram gestos obscenos. Como explicar para as crianças por que estão fazendo isso com você?

O senhor sabe que existem homossexuais que sofrem violências similares?
(...) você quer falar de crimes contra os homossexuais? No ano passado, houve 270 crimes contra homossexuais. Eu fui atrás. Destes, 70% tinham sido praticados por seus parceiros. Eram crimes passionais (...)

Além de progressiva, o senhor tira as sobrancelhas?
Sim. Eu tenho excesso de hormônios. Minhas sobrancelhas se encontravam no meio. Eu era um monstrinho.

Um comentário:

  1. Nossa, como assim os gays tem os melhores empregos do país? emprego bom e politica. A gente que é povo, rala pra poder ganhar o básico. Cada absurdo eim!

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.