Marly Melville - AFP
Nova Zelândia, o primeiro país na região da Ásia-Pacífico a legalizar o casamento gay.

Os parlamentares neozelandeses aprovaram o projeto de lei que altera a Lei do Casamento de 1955, apesar da oposição e pressão de grupos cristãos. A lei foi aprovada com ampla maioria: 77 votos a favor e 44 contra.

Centenas de pessoas celebraram fora do parlamento e comemoraram a data como um marco para a igualdade.
Chris Skelton-Fairfax NZ
#Confira:
 "Casamento gay no Brasil é possível. E é pra valer'
"Uruguai. Segundo a aprovar o casamento gay na América do Sul'

Algumas pesquisas de opinião pública sugerem que cerca de dois terços dos neozelandeses apoiam a reforma, apesar de outras pesquisas sugerirem que o público está mais dividido.

A reforma teve o apoio do primeiro-ministro John Key e foi apresentada por Louisa Wall, deputada homossexual do Partido Trabalhista, o principal da oposição.

Nova Zelândia se torna o 13º país a legalizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo. As uniões estáveis entre gays já eram legalizadas no país desde 2005.

No entanto, o líder do Partido Conservador Colin Craig disse que havia muitas pessoas que não concordaram com o resultado da apuração de votos. "Estamos vendo os políticos tomarem uma decisão hoje que as pessoas deste país não tomariam", disse ele.

Países que já possuem leis permissíveis ao casamento igualitário: Holanda, Bélgica, Espanha, Canadá, África do Sul, Argentina e Uruguai.

Somente este ano, parlamentares da França, Uruguai (71 votos favoráveis entre 92) e Reino Unido (400 a favor e 175 contra) aprovaram projetos de lei a favor do casamento igualitário restando apenas serem sancionados pelos respectivos chefes de governo.

Mapa-mundi do casamento gay (fonte BBC)


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.