Evaldir Zanona: 'Em casa hétero, a educação falta um pouco, na gay é melhor, tem menos briga'"
Foto: André Giorgi
Quem melhor para testemunhar sobre o comportamento dos frequentadores de baladas do que os seguranças das casas noturnas?

Essa pesquisa interessante foi feita pelo site iGay que conversou com quatro profissionais de São Paulo, incluindo uma mulher, para saber com quem eles preferem passar a noite inteira trabalhando: gays ou héteros. São eles: Evaldir ZanonaGenicio de Souza ChagasFabiana Cristina e Marcelo Viera.

Os seguranças acima foram unanimes e categóricos nas respostas: o público LGBT é mais educado, menos arrogante, briga menos e paga melhor.

As respostas são ratificadas por Rafael Monteiro, gerente operacional da Faqui, empresa responsável pela segurança de várias casas noturnas de São Paulo: “Os seguranças gostam de trabalhar com este público, pois não dá problema. Os gays frequentam as festas para se divertir e não para arrumar briga”.
Da esquerda para direita: Marcelo, Evaldir, Fabiana e Souza.
Foto: André Giorgi
Obter essa confirmação de quem rala a noite inteira (sem beber) para vigiar, lidar e até conviver com toda espécie de gente, é no mínimo confortante.

Segundo várias pesquisas do ramo, gays são um público mais exigente do que o heterossexual no tocante ao consumo de bens e serviços (gasta mai$, pois a maioria não tem filhos, etc). Ao mesmo tempo, sua satisfação como consumidor é conquistada com bom senso e sagacidade, sem truculências.

Inteligência ou cultura é outra qualidade dos homossexuais (mais tempo pra leitura, pois não têm filhos, etc). Só não foi lembrada pelos profissionais porque eles não têm um contanto mais, digamos, íntimo com os gays. E por falar em intimidade, os caras não se abstiveram de comentar sobre suas reações às famosas cantadas dos gays que não resistem a um corpanzil engravatado: "A gente trata com o mesmo profissionalismo que trata uma cantada de mulher”, concluiu Evaldir. Que classe, né não?

2 comentários:

  1. bom, realmente sempre achei isso, a gente sabe a realidade, mas por um lado, em termos de bom comportamento, a coisa varia.lembram do gay espancado por ter beijado na balada? se o gay apenas ferver, publico excelente, mas se houver demonstração de afeto fora da balada gay, ferrou.

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.