[Adaptação de matéria originalmente publicada pelo site IGay]
Angel e Gustavo Saab [arquivo pessoal]
Ao longo do dia, hoje e amanhã, matérias sobre mães de filhos gays serão publicadas para homenagear o "Dia das Mães".
Felicitações às mães de todo o mundo, mas o beijo especial vai para as três que protagonizam essa matéria. Elas não assumem "só" a homossexualidade dos filhos, mas provam que o amor supera preconceitos e desuniões. Se existe mesmo felicidade plena na vida -- independentemente de orientação sexual --, amor, tolerância e perdão são o único caminho. 

Angel Saab
Angel, de 52 anos, havia se divorciado há pouco tempo quando seu filho, Gustavo Saab, um publicitário hoje com 24, resolveu assumir a homossexualidade. Na ocasião, Gustavo deu todo apoio a Angel, inclusive levando a mãe junto para as baladas.

Atualmente, já entendida de programas LGBT, a baladeira revela o seu point favorito: “Ultimamente tenho ido mais à (festa) Gambiarra, por causa da energia, da animação e da música. E dos gays, que eu adoro, claro”.
Mãe e filho relembram como aconteceu o processo de aceitação em família: 
Minha preocupação era a discriminação, a marginalização, o que ele ia ter que enfrentar. Se aqueles ataques da Paulista tivessem acontecido na mesma época, eu teria enlouquecido. Acima de tudo, eu quero ver o meu filho feliz, então levanto a bandeira por ele sempre. 
Gustavo agradece o carinho: “Ela é uma amiga, uma companheira que me conhece completamente e também uma ótima parceira de balada, curto muito a nossa relação”.

Sueli Rosseto
Sueli e Marcus Rosseto [arquivo pessoal]
Sueli tem 50 anos, mora atualmente em São José dos Campos e é mãe do estudante de química Marcus Rosseto, de 20. Ela é católica praticante daquelas de carteirinha – que canta no coro e que não dispensa a ida dominical à igreja. Ela não falta à missa, mesmo que tenha curtido a noite de sábado com o filho na balada gay.
Eu e meu marido sempre fomos muito presentes, tanto para o Marcus quanto para o irmão; Os dois sempre traziam os amigos em casa, e eu sempre estive no meio deles. Quando ele me convidou para a balada, eu fui com meu marido numa boa.
O  filho recorda: "Foi muito da hora, as pessoas perguntavam se eram meus pais mesmo, a gente bebeu junto, dançou.”

Quanto à aceitação do filho, Sueli conta que no início ficou assustada: "Achava que ele poderia mudar, mas sempre continuei o amando, e com o tempo passei a não ter problema nenhum com isso.”

Sandra Azevedo
Sandra Azevedo e Ângelo Medeiros [arquivo pessoal]
A empresária Sandra Azevedo, 54 anos, e seu filho, Ângelo Medeiros, de 32, moram bem longe um do outro. A família é de Natal (RN), mas a mãe sempre visita o filho que é professor de gastronomia na capital paulista.

A estreia de Sandra nas baladas coloridas foi em um dos mais tradicionais clubes gays paulistanos. “Eu estava em São Paulo com o meu filho Ângelo, uma noite ele falou que iria para 'Alôca' e me chamou. Fui, e gostei tanto que continuei indo. Nas outras vezes que voltei à cidade, fui também à Parada Gay”.

A proximidade entre Sandra e Ângelo foi muito importante durante o divórcio dela. Ela se empolga ao falar sobre a companhia do filho nas baladas:
Ele é o meu filho do meio, o que mais me deu suporte durante o período. Quando a gente sai, a gente se diverte. Adoro a animação da balada GLS. A alegria é contagiante, eu amo.
Os dois já se divertiram tanto que não faltam histórias para contar. Ele cai na gargalhada ao lembrar da saia justa com que se deparou ao encontrar Sandra no quarto escuro de uma boate: "Ela me procurava para devolver o copo de bebida que eu havia pedido para ela segurar."
Como não poderá estar com Sandra no Dia das Mães, Ângelo pediu um favor à reportagem [site IG].
Destaca na matéria o amor que eu sinto por ela, tá?
Campanha 1 468X60

2 comentários:

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.