Na última sexta-feira (24/05), o professor Kleber Kruger, 24 anos, chegou à universidade em que dá aula, em Ponta Porã (MS),  e se deparou com um cenário diferente: um grupo de manifestantes LGBT protestava por direitos gays e usava bandeiras arco-íris. Segundo Kruger, alguns picharam as paredes dos corredores onde ele ministra suas aulas de Ciência da Computação.

Indignado, o jovem postou no Facebook uma mensagem na qual ataca todos os gays do país. O caso tomou proporção maior do que ele esperava, segundo ele próprio desabafou depois para um site de notícias local.  “Cheguei na faculdade e tinha bandeira colorida, movimento fazendo manifestação lá no bloco deles. Depois, vi as paredes todas pichadas só no nosso bloco. Lá, no lado deles, tudo limpinho. Fiquei muito nervoso. Eles picharam as paredes! Falei veado, homossexual, mas não queria ofender ninguém.” Leia a seguir.

Kruger confessa que está com medo de ser afastado da função de professor substituto e se justifica dizendo que foi o "calor da raiva" que o fez exagerar. “Sei lá o que podem fazer comigo. No atual momento, eles acham que podem fazer tudo, que estão acima da lei. Foi um erro. Nunca pensei que teria essa repercussão. Lamento. Mas também eles passaram do ponto. Vivem chamando a gente de machista. Me pareceu provocação. Acham que podem tudo. Pichar também é contra a lei", argumentou.



O professor fez questão de dizer que até já postou um dos vídeos de Felipe Neto no qual o apresentador discursa sobre a homofobia. “Eu coloquei e ainda escrevi que concordo com tudo que ele diz. Não sou homofóbico. Tenho amigos e alunos gays. Tem um aluno que foi muito mal em uma das provas, ele é gay. Não tive dúvida, fui lá e apoiei ele a continuar no curso, a andar. Não tenho problema nenhum com homossexuais”, assegura.

Por fim, ele diz que chamar alguém de "veado f.d.p" é normal: "Falo assim, mas não sou uma pessoa ruim. Quem me conhece sabe. Sou um cara que gosta de brincar, que leva tudo na boa. Nunca sairia por aí batendo em alguém. Mas tinha gente lá [?] dizendo que queria ver meu corpo no IML. Isso não é violência? Eu também sou vítima, mas de heterofobia”, conclui.

Atualização da matéria [30/05/2013]: Segundo a assessoria da universidade (UFMS), o professor substituto pediu demissão e foi imediatamente aceito pela administração da instituição. Na última terça-feira (28/05) ele já não teria dado mais aulas. Mesmo assim, a conduta de Kruger será investigada já que ele é aluno de mestrado na UFMS. As publicações serão analisadas e o caso será encaminhado à Comissão de Ética.

30 comentários:

  1. oi, meu nome é Kleber Kruger e fiz esse vídeo rebolando direitinho pra mostrar como eu sou, hum... hétero e... bem, pra atrair garotas. bjs

    ResponderExcluir

  2. Impressiona-me constatar que o cu traz tantos problemas para o mundo...

    ResponderExcluir
  3. ótimo comentário elmo dórea!não precisa falar mais nda

    ResponderExcluir
  4. Não o culpo e até inocento.

    Não caracterizo a publicação dele como homofóbica, embora generalista e, assim, injusta.

    Mas, mais injusto ainda, é exigir respeito desrespeitando quem tá quieto.

    Se você é e sempre foi ou, de repente, "virou" veado, isso não tem menor importância. O que tem a importância é a diferença entre veado e burro, que existe e é enorme, por mais que os homossexistas insistam em mostrar o contrário.

    ResponderExcluir
  5. acho que se ele discorda da forma como protestaram,ok.Tambem acho que protesto tem limites.Mas dizer que aquilo foi apenas no calor da raiva, e tentar justificar o fato de ter alunos gays, a mim não convence. É aquele dilema: seja mas no armário trancadinho, só saia no carnaval e olhe lá1 Senta lá!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. concordo com voçe, ele falou o que ele pensa mesmo , nao foi na raiva nao

      Excluir
    2. concordo com voçe, ele falou o que ele pensa mesmo , nao foi na raiva nao

      Excluir
  6. Esse cara é totalmente despreparado, não tem um pingo de inteligência emocional. Mesmo que estivesse com raiva das pichações jamais poderia falar daquele jeito usando palavras de preconceito e baixo escalão em uma rede social. Com certeza ele é homofóbico, pois não precisava agredir os gays dessa forma. Se a raiva dele era com as pichações que reclamasse apenas dos pichadores. O pior de tudo é que ele parece não entender a gravidade dos fatos. A sociedade está evoluindo, os homossexuais não aceitam mais viver a margem da sociedade, com isso esses agressores estão começando a se sentir coagidos, pois as pessoas não aceitam mais o seu discurso homofóbico e eles começam dizer que estão sofrendo “heterofobia”. Quanta ignorância!

    ResponderExcluir
  7. Professor?? Com essa intolerância toda você Kleber, é uma vergonha para nossa profissão, chego a dizer até que você é uma vergonha para estar ao lado de quem respira!! Na sua graduação, assim como eu, você deve ter feito um juramento do qual não é digno, o de levar conhecimento 'a quem quer que seja', quanto a ser digno, este adjetivo não é aplicável a você!!
    Vergonha pura: de você, de tê-lo como colega de profissão, de não saber como a rede social ainda mantém seu perfil depois da sua postagem homofóbica e sem propósito.
    Vergonha não ... tenho é pena de você, seu indigno de viver!!

    ResponderExcluir
  8. engraçado agora ele quer se justificar que foi na hora da raiva , ah por favor ele disse oque ele sempre pensou mesmo,esse cara nao mereçe perdao ou desculpa de nada

    ResponderExcluir
  9. ele causou revolta só aos gays? nenhum hétero ficou chateado?

    ResponderExcluir
  10. Em primeiro lugar, vejo que a Universidade tem por obrigação tentar descobrir que realizou a pichação, pois como alguém suja um órgão pública e fica em por isto mesmo.
    Vejo que o menino vez um comentário em sua página pessoal, não realizou algum ato de vandalismo de ir até as paredes escrever. Lembrando que já se desculpou e retirou ele mesmo o que escreveu, embora não podemos dizer o mesmo dos pichadores, pois na matéria que mostrou no Jornal Hoje, maior parte do tempo foi as paredes sujas por pessoas vândalas para não dizer mais.
    Se o professor fez o comentário é com certeza, esta havendo algum excesso e não acho que seja por parte dele, e porque em algumas paredes não foram pichadas.
    O responsável pela Universidade tem por obrigação buscar descobrir, que fez toda a confusão desde, o começo, pois ato de vandalismo é algo sério, pois não pode acontecer em uma Universidade onde possui vários responsáveis.
    Com relação a Kleber, vejo que ele vez um comentário no qual estava revoltado pela sujeira, pois é um professor e trabalhado, no qual como bom cidadão, estava preocupado com o ato de vandalismo em seu local de trabalho e até onde consta, quem é que vez a acusação contra ele, pois até agora não apareceu?
    Agora me parece que a pichação pode envolver pessoas de alguns cursos da Universidade, e gostaria de saber se nesta Universidade não tem câmeras de segurança, pois a pichação não foi o professor que vez, portanto cadê os culpados para pagar o prejuízo da pintura, pois o povo brasileiro vai ter que continuar pagando a conta até mesmo de vandalismos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. acho que qualquer um que tentar defender um individuo como esse é igual. tudo trancado em armario..

      Excluir
    2. engraçado que quase ninguem lembrou que é errado pinchar as paredes da universidade...
      nao defendo de maneira alguma a conduta do professor, pois ele deveria no minimo ter tido respeito com as pessoas em geral, e nao ter emitido sua opiniao infeliz em uma rede social,acho sim que ele deveria ser demitido(se nao tivesse pedido a demissao),mas tbm acho que as pessoas estao seguindo essa modinha tao a risca(sim,modinha assim como a modinha do ''alienado''que muitos nao tem noçao do que falam mas a seguem para nao serem queimados na fogueira,kkk), que esquecem que as vezes opinioes contrarias as suas devem ser aceitadas(contanto que nao sejam homofobicas ou com o intuito de desmoralizar alguem), percebo que mts vezes se vc nao concordar com tudo(eu disse tudo msm,até com as vírgulas), vc é no minimo enrustido, homofóbico, assassino e terrorista.prestem atenção, alguns comentários parecem até ''heterofóbicos'', e nao, eles nao sao feitos por homosexuais...

      Excluir
  11. Meu comentario nao se trata sobre estar ainda no closet or not. Falo sobre responsabilidade. Ele como professor deve deixar a vida profissional de lado da vida pessoal. As companhias (pelo menos na california onde moro) faz com que vc assine um documento ao ser contratado no qual vc se compromete a nao involver seu lado pessoal com o profissional e nao usar a companhia em fotos ou discussao. Ele como professor tem obrigacoes de manter uma certa classe. varias pessoas esqueceram o que esta palavra significa. Acredito que a Universidade nao o contratou como porta-voz ou assessor de imprensa. Assim sendo, ele deveria se manter calado. Eu nao gostaria de um filho meu ser ensinado por alguem que escreve numa pagina algo tao absurdo como "doador de cu". Se eu pertencesse a diretoria da Universidade teria o cheque dele pronto no proximo dia com um goodbye.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas afinal o que se pode esperar de um professor (enrustido) de um País aonde elegem um gay homofóbico como lider dos direitos humanos.
      Brasil até quando vai ser esse País Comédia.

      Excluir
  12. Ele exagerou um pouco, mas, pichar essas merdas na parede é complicado.

    Quer ser gay? seja um gay que se de respeito, e não essas bichas ridiculas, que não merecem respeito algum, e depois ficam falando que é homofobia. Homofobia nada, é que enche o saco mesmo, ver aquele viadinho escroto forçando a voz pra se aparecer.

    ResponderExcluir
  13. Tem nem o que comentar do texto dele. Duvido que ele não é homofobico falando desse jeito no facebook. E depois vem com essa falsidade falando que apoia a causa gay! ahh me poupe!
    Sobre as pichações até podem ser erradas, afinal ali era um espaço publico. Mas será que se fosse uma pichação homofobica (tipo que gays estão no inferno) esse mesmo professor não acharia lindo?

    ResponderExcluir
  14. le não falou NENHUMA MENTIRA. Qualquer coisa ficam ofendidinhos e o cara é homofobico, aaah vao se lavar. Tanta coisa mais importante pra ser discutida e ninguém se importa, aí é só fala em gay que todo mundo se apita e fica revoltadinho, aah que que é isso gente. Acho que é de direito de todos expressar a opinião, ninguém é obrigado a aceitar esse tipo de comportamento desprezível

    ResponderExcluir
  15. Ninguém condenou a atitude dos GAYS de PICHAR as paredes da universidade ? Isso é o espelho de uma sociedade DOENTE que não tem opinião e tem medo de expor opinião contrária para não ser "ridicularizado" ou nao ser aceito.
    O professor não falou nenhuma mentira.. MAS GAYS NÃO PODEMOS MANDAR A MERDA QUE ELES SE OFENDEM, tuuudo os caras se ofendem. Vão tomar VERGONHA NA CARA e virar macho ou vão se TRATAR DESSA DOENÇA PODRE de vocês

    ResponderExcluir
  16. Ele ta mais que certo.

    Vão pichar na pqp...

    ResponderExcluir
  17. Foda-se ambos os lados!

    ResponderExcluir
  18. Culpa da Dilma, ah ia esquecendo gostei do reboladinho dele no vídeo,,,rss

    ResponderExcluir
  19. Os Viados e os Gayzistas podem faze e falar o que quiserem, dai o cara fala contra os idiotas uteis (para o movimento revolucionario) ficam loucos com o cara.
    Esquerdista é assim, tudo bem ter opinião desde que seja igual a deles.
    Se não cala boca e manda pro paredom, igual el compnhero pilantron Chê.

    ResponderExcluir
  20. "Curso de gente colorida"?!?!

    O cara é tão idiota que não percebeu que seu curso (Ciência da Computação) foi criado graças ao homossexual Alan Turing, considerado o pai da computação.

    ResponderExcluir
  21. Lamentável ver uma universidade abrigando gente desse nível!

    ResponderExcluir
  22. Basta olhar para a carinha de Chupeteria dela já responde tudo.

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.