Por uma boa causa, os deliciosos Tribalistas voltaram ao trabalho após 10 anos sem gravar nada. Marisa Monte, Carlinhos Brown e Arnaldo Antunes compuseram a música "Joga arroz", celebrando o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo após a determinação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que proíbe a recusa pelos cartórios do país.

O deputado federal Jean Wylys (PSOL-RJ) agradece: "Agradeço muito aos três artistas – Marisa, Brown e Antunes – pela coragem de colocar seus talentos a serviço das liberdades individuais e dos direitos civis para todas e todos", disse.

A música vai embalar a 17ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, marcada para 2 de junho. Acompanhe a letra e ouça o vídeo abaixo. 


Joga Arroz
(Arnaldo Antunes, Carlinhos Brown e Marisa Monte)
O seu juiz já falou
Que o coração não tem lei
Pode chegar
Pra celebrar
O casamento gay
Joga arroz
Joga arroz
Joga arroz
Em nós dois
Quem vai pegar o buquê
Quem vai pegar o buquê
Maria com Antonieta
Sansão com Bartolomeu
Dalila com Julieta
Alexandre com Romeu
Joga arroz
Joga arroz
Joga arroz
Em nós duas em nós todos
Em nós dois

5 comentários:

  1. Ela é facil e gostosa de cantar, como deveria ser o amor para todos.
    Beijos Junior

    ResponderExcluir
  2. Esse trio é chato p/cacete... Tá só pegando uma onda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. concordo...tribalistas é chato... mais ele separados, são excelentes

      Excluir
  3. Não conheço nada mais previsível, pedante, politicamente chato e engajado do que esses 3 reunidos. Que porre!!!

    ResponderExcluir
  4. Arte não deve ser engajada? não entendi o anônimo ai, concordo que a música é bem piegas só que ela é foi feita pra ser divertida. Brasileiros, deixem de ser tão politicamente corretos por favor, ta um saco essa história de não poder fazer crítica divertida ou sátira.

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.