Meu nome é Darley Diógenes, tenho 33 anos. Entrei no sistema penitenciário aos 23 [...] Hoje eu entendi o verdadeiro significado da palavra homem. Ser homem é lutar pelos ideais e não deixar que ninguém cale a sua voz...
O discurso do policial Darley Diógenes é tão bonito que, se não fosse fundamentado numa sinceridade desconcertante (o batalhão de choque ao lado dele que o diga), que vem da alma, a gente poderia pensar que se trata de um aspirante a político oportunista. Após falar sobre problemas sociais e econômicos da polícia em geral, ele põe uma flor e abraça um dos policiais em exercício que parece engolir o choro.

Diógenes coloca Deus em muitas frases, mas percebe-se que é mais suspiro de alívio do que pregação religiosa fora de hora. Soa também como agradecimento para Aquele a quem o policial pediu força e coragem antes de deixar para trás a arma de fogo arremessada na fogueira da própria manifestação popular e de enfrentar uma missão como cidadão brasileiro. Ele se diz cansado de sofrer pelos erros e ganância dos governantes.
Eu resolvi ir ao céu pegar um pouco da força de Deus pra poder tá falando aqui hoje. Porque, só com a minha voz, eu não teria capacidade de tá aqui não...
Há tropeços, como citar Hugo Chaves como exemplo de revolução -- se é que eu entendi bem --, mas vale muito uma conferida em todo o desabafo de Diógenes, nem que seja para a gente aprender a diferenciar um discurso verdadeiro de outro oportunista. E se um dia esse homem se eleger a algum cargo público/político, só resta torcer para que lute com a mesma bravura contra o sistema político atual e não se deixe corromper por ele. 

Bom, são dois vídeos que mostram o que muito resumidamente expus nesta postagem. O primeiro você poderá assistir aqui. O segundo, no qual o policial se apresenta e explica os motivos que o levaram a queimar a própria arma e ser preso, é esse abaixo. Foi postado no YouTube por Eric Cesarino.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.