Após a denúncia de que grupos antigays estariam perseguindo e torturando homossexuais no país, um site italiano reuniu alguns vídeos do Youtube que comprovam essa ação. 

Com a anuência das autoridades russas, ou pelo menos com suas vistas grossas, os massacres a jovens homossexuais só aumentam. Depois da vigência da lei que proíbe propaganda da homossexualidade, há dois meses, os vídeos estão se tornando ainda mais frequentes entre jovens neonazistas.

As imagens gravadas mostram humilhações e violências físicas e morais praticadas tanto em lugares públicos quanto em ambientes fechados. A impressão que passa é que os jovens gays são atraídos pela falsa amizade ou compreensão dos integrantes do grupo e, depois de dominados, são submetidos a sessões de tortura.

Um dos membros do grupo extremista, que não se importa em se expor, é Denis Kazak. Em uma rede social russa, ele defende a conversão dos gays através de tortura psicológica, publicando fotos, textos e vídeos de seu tratamento anti-humano. Seu objetivo é salvar as crianças das mãos dos homossexuais, como se homossexualidade fosse pedofilia. 

As cenas fazem qualquer gay se impressionar ao se imaginar nessa situação. Trouxemos dois vídeos, mas é muito fácil encontrar dezenas deles no YouTube.

[Adaptação de matéria publicada no site Portal Universidade]




2 comentários:

  1. A cada nova publicação sobre a Rússia a minha ojeriza contra essa nação aumenta. Até quando o desrespeito aos direitos humanos será renegado dessa forma?!

    ResponderExcluir
  2. O mais triste é a população de lá não parecer se importar, e os nazistas e demais homofóbicos (inclusive religiosos) fazerem vistas grossas à esse desrespeito com um ser humano.

    Pelo que parece, nem com o fim do comunismo, a Rússia conseguiu deixar de ser uma ditadura e um lugar terrível de se viver...

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.