A nova novela da seis, 'Joia Rara' (direção geral de Amora Mautner), começa nesta segunda-feira (16/09) e se passará em um "arco de tempo que vai de 1934 a 1945". Alguns blogs e sites divulgam a informação de que será a primeira de época com personagem homossexual.

No site da emissora, contudo, tem uma matéria sobre esse personagem, o Viktor (Rafael Cardoso), na qual diz que ele se apaixonará por uma designer de joias (Nathalia Dill). Será que a Globo repetirá a pegadinha do personagem Roni (Daniel Rocha), de Avenida Brasil, aquele que tinha tudo pra ser, mas não foi?

Enfim, vamos considerar que dessa vez seja sério, pois será (ou seria) algo inovador. A trama abordará a filosofia budista segundo a qual existe uma joia rara dentro de cada pessoa. Para descobri-la, temos que lapidar nosso espírito com prática de boas ações e bons pensamentos, transformando em boas as coisas ruins e em etéreo (celestial) o que é mundano.

No tocante à homossexualidade, muita coisa melhorou desde então. O que era sinônimo de doença e crime quase no mundo inteiro, hoje é simplesmente orientação sexual. Ainda que, sob o aspecto religioso, exista ainda muito tabu a ser superado.

No mundo ocidental, alguns países descriminalizaram a homossexualidade já nas décadas de 1930 e 1940. A Polônia, por exemplo, em 1932, foi um dos primeiros países do mundo ocidental a descriminá-la -- apesar de hoje ter um ex-presidente preconceituoso com os gays, o Nobel da Paz Lech Walesa. A Dinamarca veio logo atrás e em 1933 aboliu a homossexualidade. A Suécia em 1944 e no Reino Unido em 1967. Ainda assim, foi apenas em meados da década de 1970 que a comunidade gay começou a alcançar alguns direitos civis em poucos países desenvolvidos. 

Imagine então como deve ter sido complicada a vida de um jovem gay da década de 1930. Mais do que a certeza da atração física por pessoas do mesmo sexo, tinha que conviver com o medo de não conseguir formar uma família tradicional para ser aceito em sociedade.

Bom, quem deve ter a resposta para isso são as autoras de 'Joia Rara': Duca Rachid e Thelma Guedes. Elas criaram o personagem Viktor, um jovem que sonha em ser pintor e fará de tudo para esconder a homossexualidade da família. O problema é que ele não escapará da internação em um sanatório providenciada pelo seu pai, o vilão Ernest Houser (José de Abreu).

As novelas contemporâneas não exibem cenas de carinho e beijos entre personagens gays (mesmo entre os casados) -- de certa forma é um desrespeito por quem lutou lá atrás para hoje os gays terem garantidos mais direitos civis. Vamos torcer para que a novela respeite esses irmãos antepassados e nos presenteie com informações e cenas fidedignas. Se for o caso, promete.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.