"...A pessoa tem que escolher o seu parceiro e não ser forçada a se relacionar sexualmente com dezenas..”  Wallber Virgulino, secretário de Administração Penitenciária do estado da Paraíba (SEAP)
Brasil civilizado está em baixa. Respeito civil aos cidadãos pobres e de classe média sempre manda lembrança, mas não adianta. A gente encontra serviços de educação e de saúde de qualidadel, mas somente nas palavras de políticos ou em letras da Constituição.

Por outro lado, eis que ações dignas ainda partem de pessoas que detém algum poder nas mãos e nos surpreendem. No caso, os responsáveis por três presídios do estado da Paraíba que criaram alas destinadas a detentos transexuais e gays.

Há relatos de discriminação, violência sexual e física contra detentos LGBT em todos os presídios do Brasil, mas apenas Rio Grande do Sul, Minas Gerais e, agora, a Paraíba adotaram a medida de criar alas LGBT.

O Movimento do Espírito Lilás ("MEL") foi quem reivindicou o direito na Paraíba com o apoio da OAB-PB. As celas foram criadas no início deste mês e são opcionais. 

De acordo com o Mel, sete homossexuais cumprem pena no presídio do Róger, que fica na área urbana de João Pessoa e outros três no presídio do Serrotão, em Campina Grande. Segundo o secretário Wallber Virgulino, há mais de um mês os presídios de segurança média do Róger e o PB1, contam com alas voltadas para apenados homossexuais cujo objetivo principal é manter a integridade física do apenado.

Virgolino acrescenta que está estudando a instalação de novos espaços LGBT em cadeias públicas pelo interior da Paraíba. Inseridos nesses locais, os detentos também são matriculados em cursos ressocialização.

O vice-diretor da penitenciária Romeu Gonçalves de Abrantes (PB1), Thiago Nunes, revelou que o espaço da unidade conta com quatro leitos para abrigar os apenados para lhes garantir integridade física.

No vídeo abaixo, casais contam como é a rotina em galeria que abriga só homossexuais no Presídio Central de Porto Alegre. A prisão é uma das três do País a contar com espaço para detentos LGBT.


Fontes: Tribuna HojePB Agora



4 comentários:

  1. e isto é na Paraíba né? e ainda existe preconceito contra o nordeste ...

    ResponderExcluir
  2. Ótima matéria! São posts como esse que alegram minha vida =) adorei o vídeo no final também, já pensou que dez um documentário mais elaborado sobre o tema mostrando prisões pelo país todo e a situação da comunidade LGBT nelas? Nas prisões com alá especial LGBT e em todas as outras que não tem. Faces da realidade são interessantes. Beijocas na bunda, ótimo post!

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.