A ideia de grupos ou torcidas LGBT representantes dos maiores times de futebol do País vem se espalhando nas redes sociais há algum tempo.

  • O São Paulo tem o grupo "Bambi Tricolor", com quase 2000 pessoas interessadas no Facebook.
  • O número de adeptos do "Palmeiras Livre" nas redes sociais é quase o mesmo do São Paulo.
  • Em Minas Gerais, o Atlético mineiro é seguido pela "Galo Queer", grupo com mais de 6000 curtidas no Facebook.
  • Para rivalizar com a "Galo Queer", o Cruzeiro conta com a "Cruzeiro Maria", torcida com quase mil pessoas que curtem a página do Facebook.
  • A "QUEERlorado" tem mais de mil 'curtidas' em sua página do Facebook. O nome do grupo é homenagem ao apelido do Internacional ("Colorado").
  • A "Timbu Queer" representa a torcida LGBT do Estado de Pernambuco para o timão Náutico. Por enquanto com menos de 200 curtidas apenas.
  • Mas o Náutico não está sozinho no Nordeste. Vitória e Bahia também têm seus grupos de internautas. A "Vitória Livre" conta ainda com pouco menos de cem torcedores em sua página.
  • A maior torcida do País, o Flamengo, poderia ter uma torcida LGBT mais representativa. São duas: a "Flamengo Livre", com cerca de 550 'curtidas' no Facebook, e a "FlaGay". Esta última homenageia o rubro-negro em sua página no Twitter. 

No próximo sábado (18), às 10h, o programa "Esporte Fantástico", da Record, exibirá uma reportagem exclusiva sobre o crescimento do movimento LGBT no futebol em todo o  mundo. Como vimos acima, no Brasil, o fenômeno ganha força em vários clubes. A última, do Corinthians, denominada "Gaivotas Fiéis", foi recém criada por Felipeh Campos, apresentador que já foi dublador do quadro "Qual é a Música?" (Silvio Santos). Ele espera atrair 500 mil corintianos para a sua organização, mas, por enquanto, constam apenas 315.

O programa foi conversar com os torcedores que tiveram essa iniciativa e a matéria discutirá o machismo no futebol: será que esse universo machista conseguirá conviver bem com as novas torcidas? Segundo o site R7, a programação mostrará ainda como funciona as torcidas gays em outros países.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.