Adaptação de matéria escrita por Steve Scherer e Philip Pullella
Fonte R7

Quem ainda duvida que o papa Francisco está fazendo um trabalho de inserção de fieis comuns à Igreja católica -- e isso inclui gays católicos que se sentem excluídos --, aqui vai um indício. 

Não se trata de anunciar uma mudança radical da Igreja acerca da homossexualidade e correlatos, porém, conforme afirma o prólogo de uma pesquisa direcionada aos bispos e párocos de todo o mundo, disponibilizada no site da publicação National Catholic Reporter na última quinta-feira (31/10), são "preocupações antes inauditas até alguns anos atrás que surgem hoje como resultado de diversas situações, da prática disseminada da coabitação (...) às uniões entre pessoas do mesmo sexo que, não raramente, são autorizadas a adotarem crianças".

No questionário, bispos e párocos deverão expressar opiniões locais sobre casamento homossexual, divórcio e controle da natalidade. A pesquisa acompanha uma carta do arcebispo Lorenzo Baldisseri, secretário-geral do sínodo. Essa é uma prática anual e ocorre previamente a cada sínodo (reunião geral de bispos). Para 2014, se discutirá a reação entre os ensinamentos católicos e a família. 

A pesquisa pergunta qual "atenção pastoral" se deve dar aos que optam por viver em uniões homossexuais, e, no caso desses casais que adotam filhos, "o que pode ser feito pastoralmente à luz da transmissão da fé".

Taí uma demonstração de maior sensibilidade às questões outrora consideradas tabus, como a maneira pela qual a Igreja pode incluir crianças adotadas por casais homossexuais. 

Em entrevista publicada em setembro, o pontífice disse que a Igreja deveria deixar de lado sua obsessão contra o aborto, a contracepção e a homossexualidade, para se tornar mais misericordiosa, sob risco de ver desabar todo o seu edifício moral, "como um castelo de cartas".

Por outro lado, há ainda posicionamentos discrepantes com essa vertente inovadora. Há menos de duas semanas o Vaticano confirmou que católicos que voltam a se casar após o divórcio não podem comungar. Como assim? Alguém faz ideia de quantos divorciados se casam novamente? Esses, que seguem a doutrina cristã, somente por isso, estão impedidos de comungarem e se "livrarem" dos pecados que os carregam de culpas e remorsos. Resultado lógico: se afastam da Igreja!

Na Inglaterra, bispos colocaram a pesquisa na internet, para que todos, inclusive leigos, possam responder. O resultado será incluído no documento de trabalho do sínodo extraordinário em outubro de 2014.

Não deixe de conferir a nova coluna de filmes escrita por Aluísio Bispo. Sinopses, comentários e downloads de filmes divididos por temas. O de hoje é religião. Você encontrará três excelentes longas. Divirta-se.

Um comentário:

  1. Uma hora a religião tem que se transformar.#Fato.Grande beijo!

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.