Os músicos Johannes Strate e Jakob Sinn (Foto: Reprodução/GQ)
Guardadas as devidas proporções dos cargos políticos, artistas da Alemanha estão trocando beijos na boca numa manifestação contra as leis anti-LGBT de Vladimir Putin (presidente da Rússia), assim como artistas brasileiros fizeram há sete meses em protesto às ideias e declarações preconceituosas do deputado Marcos Feliciano -- cujo único mérito até hoje como político foi inexplicavelmente ter alcançado a presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias para, veja só, continuar atormentando os LGBT. Mais incompreensível é a permanência dele na CDHM até hoje.

A polêmica campanha é uma iniciativa da revista GQ alemã que reuniu 13 homens, todos personalidades heterossexuais da Alemanha, para trocarem beijos na boca em prol dos gays russos e como forma de criticar o governo opressor do presidente Vladimir Putin. Com o tema Mundpropaganda, a campanha busca acabar com a intolerância e a discriminação contra os LGBTs não só no país como no mundo.

Os atores Ken Duken e Kostja Ullmann (Foto: Reprodução/GQ)

O cantor Herbert Grönemeyer e o ator August Diehl (Foto: Reprodução/GQ)
Entre os famosos que aparecem em momentos íntimos estão o cantor Herbert Grönemeyer,  os rappers Moses Pelham e Thomas D, os campeões olímpicos de vôlei de praia Julius Brink e Jonas Recker (vencedores do ouro em 2012) e os atores August Diehl, Herbert Grönemeyer, Kostja Ullman e Ken Duken.
Os jogadores de vôlei Julius Brink e Jonas Reckermann (Foto: Reprodução/GQ)
"A intolerância que os homossexuais ainda enfrentam é chocante", declarou o editor-chefe da GQ alemã, José Redondo-Vega. “Com a #Mundpropaganda queremos dar nosso total apoio a favor de uma sociedade livre", completou ele. As fotos, que fazem parte da edição de janeiro da publicação, chegou às bancas nesta quinta-feria (12).
[Fonte: revista QUEM]
Confira o vídeo do making of.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.