O deputado Marco Feliciano, em ação como pastor, se declara endividado e culpa ativistas gays pela falta de "agenda", nome que dá aos eventos para os quais é remuneradamente convidado. Ele chama a filha mais velha ao palco, que completou 18 anos, e ali, diante dos fieis, explica como conseguiu "dar" um carro de presente à primogênita.

Segundo o deputado/pastor, foi através de um congresso de líderes em Porto Seguro (BA) que o dinheiro literalmente caiu a seus pés. No final do evento, os milhares de pastores presentes teriam jogado o dinheiro e assim ele conseguiu pagar todas as suas dívidas. Uma semana depois, ele teria recebido um telefonema de outro pastor para doar o carro da esposa. "Não é o que ela queria, mas é um começo", finalizou, quem sabe na tentativa de sensibilizar outro fiel ali presente a doar o modelo desejado. Com tanta fartura, quem tem boca...

Emocionado, ele se dirige à filha: "É a forma de eu falar para minha filha: Jesus sempre cuidou da gente”.

Aleluia!

Assista ao vídeo antes que seja excluído.



Fonte> DM

6 comentários:

  1. Safado(no mau sentido) define esse cara...e a filha também!

    bj Ju

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jesus falou pra mim que a chamada que o Marcos Feliciano recebeu foi cruzada e na verdade foi o Diabo que se aproveitou da situação. Jesus também falou pra mim pra ignorar esse cara.

      Excluir
  2. um dos melhores pastores desse mundo ;)

    ResponderExcluir
  3. Deus fará seu julgamento, a própria biblia fala que falsos profetas surgiram em nome de Jesus, mas quem somos nós pra julgarmos uns aos outros.

    ResponderExcluir
  4. Deus fará seu julgamento, a própria biblia fala que falsos profetas surgiram em nome de Jesus, mas quem somos nós pra julgarmos uns aos outros.

    ResponderExcluir
  5. Como evangélico digo: esse cara me enoja.

    ResponderExcluir

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.