No mundo corporativo prevalece a máxima de que falar demais pode levar ao arrependimento, mas o silêncio nunca. Para os gays brasileiros isso tem efeito dobrado


Tim Cook, chefe-executivo da Apple, há poucos dias assumiu publicamente a sua homossexualidade com o objetivo de, segundo ele, inspirar outras pessoas a exigir tratamento igualitário no trabalho. Ele reconhece que tem sorte em trabalhar numa empresa que respeita as diferenças, mas reconhece que nem todos têm o mesmo destino.

Mas como não há unanimidade nessas questões, o CEO foi alvo de preconceito na Rússia após sair do armário. O país retirou o monumento em homenagem ao antigo CEO da Apple, Steve Jobs, colocado em frente a uma universidade em São Petersburgo desde de 2013, logo após a divulgação da notícia. O governo alega que o fez com base na lei que proíbe propaganda gay em território russo.


No Brasil não há leis desse tipo, mas não há também lei federal que criminaliza a homofobia. Supõe-se que muitos executivos gays omitem sua orientação sexual por medo de brecarem o crescimento profissional.

O ano está terminando, o Brasil passou por um recente processo eleitoral, e os brasileiros não vislumbraram mudanças substanciais na esfera legislativa no tocante aos direitos LGBT. Teremos que esperar mais quatro anos para reacender a esperança, haja vista que, dentre os parlamentares eleitos ou reeleitos, são poucos aqueles que compõem a bancada LGBT e menos ainda os que se destacam nela.

Você acredita que a liberdade ou coragem de os cidadãos gays exporem sua sexualidade nas empresas onde trabalham se deve à ausência de lei federal que condene a discriminação com rigor? Já viveu ou está passando por essa experiência?



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.