O resultado de uma pesquisa realizada no 19º relatório anual da empresa de estudos voltados ao público LGBT Community Marketing and Insights (CMI), mostrou que  a Itália é o país que mais atrai os turistas europeus LGBT e o segundo destino mais almejado pela comunidade gay do mundo, atrás apenas da Austrália.

Além disso, a enquete mostrou que as palavras mais atraentes aos turistas são "relax", com 23% das respostas; "diversão", com 18%; e "cultura", com 14%, passando na frente de "comida", "spa" e "comprar". As famílias que decidem viajar também foram analisadas. Nesse aspecto, elas procuram integração com todos os serviços, não apenas com destinos "gay friendly".

No quesito "conforto e recepção", a maior parte dos turistas prefere as grandes cadeias hoteleiras - como Marriott e Hilton. Foi descoberto também que cada vez mais os casais vão juntos em viagens de trabalho, misturando obrigação e prazer.

Quanto à "segurança", apenas 11% dos entrevistados correriam o risco de viajar para um país com leis e sociedades homofóbicas. E entre as piores nações neste quesito estão Rússia, Quênia e Jamaica.

"Foi um evento muito positivo. Existe muita disponibilidade da parte das instituições romanas de criar estratégias que possam desenvolver o turismo na cidade. Aqui há um mercado enorme e a coisa mais importante é garantir aos potenciais visitantes informações constantes sobre as coisas para se fazer e ver", explicou o presidente da International Gay And Lesbian Travel Association (Iglta), John Tanzella.Tanzella, presente no evento em Roma.

A pesquisa ouviu 35 mil pessoas desse grupo, em 100 países do mundo, após alguns anos de recessão ou de crescimento modesto, 2014 teve um aumento de 9% nas viagens LGBTs em relação a 2013, uma tendência que deve continuar também em 2015.

Fonte: JB / Agência ANSA

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.