Como mãe de uma criança de cinco anos de idade, tenho grande prazer de ler para meu filho. Alegra-me a sua compreensão crescente do mundo das palavras. Seus professores nos encorajam a apontar para os anúncios, outdoor, etc, enquanto caminhamos pelas ruas de Harlem, onde moramos, e falar em voz alta os nomes das empresas e das ruas.

E nós fazemos. Numa segunda-feira, enquanto caminhávamos pela Lenox Avenue, eu apontava para várias lojas, supermercados, docerias. Eu explicava o que cada um representa. Então, num susto, eu parei. 

Puxei ele para que virássemos a esquina da rua 123 esperando que meu filho desviasse o seu olhar para outra direção. Por quê? Porque o outdoor da Igreja Missionária ATLAH surgiu enorme na nossa frente.


No ano passado, o letreiro da Igreja dizia: "Jesus teria apedrejado os homossexuais... Apedrejamento ainda é a lei". Nesse dia, estava lá escrito: "Obama é muçulmano e muçulmanos odeiam bichas. Eles jogam as bichas de cima de um prédio. E a bíblia nos diz que é para jogá-los também".

Quando a ATLAH, liderada pelo pastor James David Manning, publicou aquela primeira mensagem de apedrejamento, vários vizinhos e amigos de Harlem se organizaram para formar o Harlem Against Violence, Homophobia, and Transphobia [Harlem Contra a Violência, Homofobia e Transfobia]. 

Decidiu-se que, ao invés de protestos diretos, iríamos formar uma associação local sem fins lucrativos cuja meta era captar recursos para ajudar as maiores vítimas do ódio de Mannning: os jovens LGBT desabrigados. Nós arrecadamos mais de $17.000 para o Ali Forney Center, cuja sede fica apenas a alguns quarteirões de distância. Eles precisam de toda ajuda financeira que pudermos conseguir. As crianças que saem do armário como LGBT estão sendo expulsas de suas casas em um ritmo assustador.


Você pode imaginar como é para um jovem ouvir em casa que ele ou ela irá para o inferno por ser o que é e depois sair nas ruas e ter que ler essas mensagens de ódio? Nós ficamos arrasados por esse jovem. Nos ofende saber que pessoas de todas as idades se deparam com esse ódio bem no coração de Harlem. Nos atinge porque sabemos que o bullying, a agressão e o assassinato são o destino de muitos vizinhos nossos - de todas as idades, raças, religiões e origem nacional - que morrem de medo quando andam pelo bairro.

ATLAH age como um tirano. Durante anos, eles postaram mensagens de ódio contra o Presidente Obama e os negros em geral, os eleitos e os líderes que não os aprovam. Apesar das palavras vis, sabemos que, aos olhos da lei, Manning está protegido. Mas quando ele pede publicamente para assassinar membros de uma comunidade já tão perseguida? O silêncio nesse caso não é mais opção, mas sim cumplicidade.

No Harlem sabemos que o ódio dói. Não importa se vem de um demagogo da esquina ou de um candidato para a presidência dos Estados Unidos. Palavras de ódio têm o poder de transformarem-se em ações de ódio. Toda alma é preciosa. Ninguém é descartável. Temos de nos levantar para a segurança e a dignidade de todos da nossa comunidade.

O vídeo abaixo mostra um surto do pastor James David Manning ao se deparar com um grupo protestando contra o ódio em frente de sua Igreja: "Stop the hate now" [Acabe com o ódio agora].

Bio: Stacy Parker Le Melle é diretora de comunicação do Afghan Women's Writing Project e autora do 'Government Girl: Young and Female in the White House'. Twitter:


Assista ao vídeo.



Via The Huffington Post

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.