A lista de livros infantis a seguir foi elaborada pelo site Huffington Post. As estórias narradas falam de amor e respeito ao próximo, força, coragem, emoção e outros ingredientes recomendados para os pirralhos. 

A diferença são os personagens que precisam lidar com conflitos externos quando se deparam com preconceito, machismo e/ou diversidades. Aliás, se pensarmos bem, esses elementos fazem parte da maioria dos livros convencionais, só que aqui os pingos são colocados em todos os "is".

'Menina Não Entra' ▲
Autora: Telma Guimarães Castro Andrade
Ilustrações: Ellen Pestili
Um grupo de amigos quer formar um time de futebol, mas não aceitam que Fernanda se junte a eles – porque ela é menina, e meninas não jogam futebol. Mas quando Fernanda lhes mostra que é boa jogadora, percebem que se enganaram e preconceito não ajuda ninguém a ganhar.

'O Fado Padrinho, o Bruxo Afilhado e Outras Coisinhas Mais' ▲
Autora: Anna Claudia Ramos
Ilustrações: Tatiana Paiva
Para o menino Luar, a ideia de se tornar um fado madrinho é simplesmente perfeita para realizar seu desejo de ajudar todas as pessoas do mundo que precisam de uma forcinha. Ele não se importa se ser fada madrinha é "coisa de menina". 
'Olívia Tem Dois Papais' ▲
Autora: Márcia Leite
Ilustrações: Taline Schubach
A curiosa menina Olivia tem dois pais. Um brinca de bonecas com ela; o outro sabe cozinhar. Ela fica intrigada com isso. Surge outra dúvida: Quem vai lhe ensinar a usar maquiagem e salto alto se nenhuma mulher mora com eles três?

'Do Jeito que a Gente É' ▲
Autora: Márcia Leite
O adolescente Chico quer assumir para a família que é gay. Béa detesta sua aparência e quer aprender a se aceitar. A história dos dois personagens é contada com sensibilidade, leveza, emoção e sem clichês.

'Meus Dois Pais' ▲
Autor: Walcyr Carrasco
Ilustrações: Laurent Cardon.
O pai e a mãe de Naldo vão se divorciar. O garoto vai morar com o pai e um amigo dele, Celso, embora todo mundo seja contra isso. Tudo vai muito bem até dizerem para Naldo que seu pai é gay. Ele fica desnorteado, mas uma conversa resolve a situação: o menino entende que isso não muda o amor do pai por ele.

'A História de Júlia e Sua Sombra de Menino' ▲
Autores: Christian Bruel, Anne Galland e Anne Bozellec
Os pais de Júlia não gostam nada, nada dos modos da filha: dizem que ela se parece com um menino em tudo que faz. Quando a sombra de Júlia fica igualzinha a de um menino, ela se sente triste e começa a questionar sua identidade.

'Meu Amigo Jim' ▲
Autora e ilustradora: Kitty Crowther
Os amigos Jim e Jack são uma gaivota e um melro, respectivamente. Eles passam muito tempo juntos e as outras aves acham isso bem esquisito – mas Jim e Jack não estão nem aí para isso. A autora ainda fala sobre preconceito racial e leitura em Meu Amigo Jim.

'Ceci Tem Pipi?' ▲
Autor: Thierry Lenain
Ilustrações: Delphine Durand.
Para Max sempre tudo foi muito simples: existem as pessoas "Com-pipi" e as pessoas "Sem-pipi". Os Com-pipi são considerados os mais fortes, mas Max se confunde com sua nova coleguinha de escola, Ceci. Ela gosta de fazer tudo o que meninos fazem. O garoto começa a se perguntar se a Ceci tem é dos Com-pipi, assim como ele. 

'Olivia Não Quer Ser Princesa' ▲
Autor: Ian Falconer
A porquinha Olívia é diferente de suas amigas. Todas elas querem ser princesas, adoram cor-de-rosa e varinha de condão. Olívia começa a se perguntar por que todo mundo tem que pensar do mesmo jeito, ser a mesma coisa e, o mais importante, o que ela quer ser?

'Amor Entre Meninas' ▲
Autora: Shirley Souza
Com leveza e dinamismo, a autora responde diversos questionamentos sobre sexualidade que garotas fazem a si mesmas na adolescência. Achar uma pessoa do mesmo sexo bonita não significa que você é gay. E, se for, fique tranquila: tem nada de errado nisso.

'Tal Pai, Tal Filho' ▲
Autora: Georgina Martins
Ilustrações: Sergio Serrano.
Um menino decide se tornar bailarino, mas, para isso, precisa enfrentar o preconceito de seu próprio pai, que sempre lhe contou histórias de homens "cabras-machos" de sua terra. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.