Denunciar é fundamental, mas durante a confusão tente manter a calma para deixar claro para as pessoas em volta de que você é a vítima.

Em 23 de novembro, a cantora Mc Xuxú gravou um vídeo na rua - com a polícia ao fundo - no qual relata ter sido humilhada numa pizzaria de Juiz de Fora (MG) cujo nome faz questão de exibir no vídeo abaixo.

É importante denunciar quando se é vítima de preconceito. A denúncia combate a prática desse crime, pune o agente e garante o direito à igualdade.

Tão importante quanto é manter a calma durante a tentativa de reverter a situação.

Se os ânimos se exaltarem, se o gerente do estabelecimento comercial nada fizer, tente conduzir a situação de modo que as pessoas a seu redor percebam que você está sendo humilhado(a) e vítima de crime - não é fundamental, mas tudo ficará mais fácil se uma boa alma concordar em servir de testemunha - nome e endereço. 

Denúncia

No lado direito desse blog, você encontra os principais contatos telefônicos e de sites para denunciar. Se preferir, vá em qualquer delegacia de polícia. O importante é prestar atenção ao seguinte:

a) atenha-se aos detalhes, como horário, data e local. Se conseguiu testemunha(s) que presenciou a ocorrência do crime, colha o(s) nome(s) e endereço(s);

b) na delegacia de polícia, registre a queixa para obter o boletim de ocorrência.  Se na sua cidade existir delegacia especializada, melhor - exemplo: Delegacia de Repressão aos Crimes de Discriminação - São Paulo, Mato Grosso, Pará, Piauí e Distrito Federal.

Se precisar de advogado para entrar com ação judicial ou acompanhar um caso e não tiver condições financeiras, procure a Defensoria Pública. Se não houver na sua cidade, pesquise na internet escritórios jurídicos que prestam serviço de assistência jurídica gratuita à comunidade.

Assista ao vídeo de Mc Xuxú.

  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.