O grupo evangélico norte-americano Anchored North promoveu um vídeo caro, protagonizado por um homem ex-gay que prega a cura do público LGBT do Facebook.

Segundo o site Gay Star News, o grupo religioso usou o algoritmo do Facebook em sua postagem de vídeo patrocinada para atingir adultos LGBT que buscam informações sobre Paradas Gays.

O vídeo mostra um homem que narra sua trajetória gay desde "cedo" e sua "luta" para aceitar a homossexualidade durante o ensino médio e a faculdade.

Depois de se graduar e de se mudar para Los Angeles, Becket viveu uma vida "gratificante" e "divertida" enquanto participava de estreias e premiações de shows como Grammys, Emmy e Oscars.

No entanto, ele passou a se sentir "vazio e morto por dentro", até conhecer dois missionários em um café que o convidaram para conhecer a igreja onde o "Espírito Santo inundou" ele.

O anúncio acumulou em 15 dias aproximadamente 225.000 visualizações das quais 1.300 internautas registraram suas curtidas (👍ou 💗) e pouco mais de 400 registraram seu descontentamento (😤). Mas os comentários (em torno de 545) sob o post do vídeo chamam mais atenção. 

Muitos comentários são do tipo: -Este é o tipo de conteúdo que literalmente mata as pessoas -  numa alusão aos efeitos danosos do preconceito.

Outro usuário escreveu: -Wow, Facebook, vá se f**der por permitir um depoimento de conversão gay na minha timeline de notícias. Gay para toda VIDA!

Em declarações à Gay Star News, um porta-voz do Facebook disse: -Esse anúncio viola nossas políticas de publicidade e foi removido.

As políticas de publicidade do Facebook restringem o conteúdo ilegal e não devem conter material discriminatório baseado em orientação sexual ou identidade de gênero.

Apesar das denúncias, até o momento da publicação dessa postagem o vídeo continua "convertendo" os gays.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.