Foto: Facebook
Está sofrendo algum bullying de quem acha você uma piada? Aprenda com esses jovens o que fazer. Mas há de ter uma boa dose de coragem.

O designer Leonardo Constancio descobriu que era vitima de chacota de alguns caras machistas da academia onde pratica aulas de dança localizada na Barra da Tijuca, bairro da zona oeste do Rio de Janeiro.

Além dos comentários maldosos, uma amiga mostrou a Leonardo algumas fotos dele circulando num grupo do WhatsApp onde o jovem aparece dançando nas aulas de dança. Todas com com observações maliciosas e machistas dos alunos da musculação.


Leonardo não gostou. Vestido num collant pink com babados, legging escura e tênis, foi à academia no dia seguinte para para malhar "normalmente".

A foto acima foi clicada entre os alunos. Leonardo disse que fez aula de musculação entre os "machões" antes de "rebolar" na de dança.

E postou no Facebook. “Hoje resolvi vir um pouco mais arrumado, all the eyes on me in the center of the ring just like a circus...”, escreveu em seu perfil.

Leonardo narrou também o que o motivou a essa decisão.

"Achei isso errado de tantas formas (falta de respeito, empatia, micro agressões, machismo, patriarcado, bullying, homofobia...) que [na hora] não tive o que falar, apenas sentir."

"E para aqueles que queriam me intimidar, vocês pensaram mesmo que eu não ia rebolar minha bunda hoje, né?". Finalizou.


A atitude de Leonardo lembra a de Talles de Oliveira Faria (acima), de 24 anos, que é homossexual. Ele compareceu na festa da formatura do ITA, em dezembro de 2016, trajando roupas femininas estampadas com palavras de protesto. Ele disse disse na ocasião que foi vítima de homofobia na instituição por sua orientação sexual.

“E para aqueles que queriam me intimidar, vocês pensaram mesmo que eu não ia rebolar hoje, né?”, de novo.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.