Kjell Frølich e seu parceiro Erik Skjelnæs durante a cerimônia de seu casamento- Foto: Facebook (David T Carangan)
Há poucos dias o blog publicou uma postagem sobre os melhores países para pessoas LGBT trabalharem. A Noruega encabeça a lista. 

O país nórdico é também o primeiro em outras áreas, como sustentabilidade e recentemente se tornou o primeiro a desligar a Rádio FM - migrando para a rádio digital. Agora, é de lá a primeira Igreja luterana do mundo a permitir cerimônia religiosa para casal do mesmo sexo.

Graças à aprovação da nova liturgia em Sínodo da Igreja ocorrido em 30/01/2017, o clero pode oficiar casamentos a qualquer casal na igreja principal, da qual mais de dois terços de todos os noruegueses são membros.


Kjell Frølich Benjaminsen, 63, e seu parceiro Erik Skjelnæs, 70, esperaram décadas para se casarem em cerimônia tradicional.

No segundo toque do relógio assim que bateu meia-noite, Benjaminsen e Skjelnæs ficaram diante do altar e fizeram seus votos na frente da pastora Bettina Eckbo, que liderou a cerimônia histórica.
"Foi muito divertido e muito acolhedor fazer parte", disse Eckbo à NTB.
Os recém-casados ​​vivem juntos há 36 anos - mais tempo do que Eckbo tem de vida.

"Espero que todas as Igrejas do mundo se inspirem nessa nova liturgia", disse Gard Sandaker-Nilsen, líder da Open Public Church (Igreja Pública Aberta, em tradução livre), movimento da Igreja Luterana que atuou na campanha para mudar as regras.

A cerimônia marca novo marco para gays e lésbicas da Noruega, que, como seus vizinhos nórdicos, estão na vanguarda em direitos dos homossexuais na Europa. O casamento civil e a adoção são possíveis aos gays desde 2009 e a Igreja também autoriza a ordenação de homossexuais.

Assista a cerimônia.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.