Foto: anúncio Mytag.

Comerciais que usam metáforas para temas LGBT não são novidades no Brasil, como são para o mercado norte-americano que há poucos anos começou a explorá-los. 

A metáfora se torna um dispositivo para acalmar as mentes exaltadas da classe conservadora ao se manifestar sobre temas polêmicos como as questões LGBT - as empresas não evitam a polêmica, mas evitam estar despreparadas para lidar com ela.

Em 2016, um comercial da McCafe, em Taiwan - possivelmente será o primeiro país asiático a legalizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo -, teve a boa sacada ao associar o estabelecimento como um lugar propício para um papo tenso e reservado entre pai e filho que deseja sair do armário.

O jovem se senta em frente ao pai e, com semblante de preocupação, revela sua homossexualidade de maneira incomum. O pai, dominado pela emoção, se afasta por alguns minutos enquanto o jovem fica sozinho e desolado. O final é emocionante. Acompanhe.


Ainda nessa vibe pai e filho, a Kodak também arrasou em seu comercial de 2016 de nome "Understanding" (Compreensão). Note que um beijo gay é flagrado em milésimos de segundo apenas, o suficiente para dar a liga para a emocionante estória que segue. Veja.


"A sociedade avançou", disse Florence Scappini [à BBC Brasil], diretora de marketing da empresa aérea Gol, que incluiu um casal real de homens gays com seu filho em sua campanha para o Dia das Mães, veiculada na internet, tendo como tema a adoção.

"Assim como vários outros temas, este ainda não é ponto pacífico. Mas é necessário desbravar estas barreiras. Isso faz parte ao desenvolvimento cultural de nossa sociedade, que precisa ter como princípio o respeito ao diferente."


Segundo a executiva, a campanha teve uma aprovação de 95% entre os consumidores, um dos índices mais altos já registrados em suas ações. "Claro que tivemos reclamações, algumas dizendo que estávamos destruindo a família brasileira. Mas foram pontuais e não reverberaram", afirma Scappini.

Para comemorar seus 75 anos, em 2012, Ray-Ban lançou a campanha publicitária "Never Hide" (Nunca Esconda - tradução livre) que mostra pessoas de diferentes épocas da história norte-americana que “se expressaram sem medo”. 


Entre os anúncios, a empresa incluiu um casal de homens gays que foi inspirado no escritor americano Taylor Mead, que escreveu sobre a realidade dos gays na década de 1940. 

"Uma coisa é fazer propaganda tendo como alvo o público LGBT - você pode fazer uma veiculação mais segmentada", opinou Silvio Sato, professor do curso de Publicidade e Propaganda da Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP), também para BBC Brasil

Em 2016, a Skol lançou pela internet a campanha "Respeito Is On", segmentado ao público LGBT, para homenagear o Dia Internacional do Orgulho LGBT. Assista.


"Mas o que vemos hoje é a inclusão de casais gays em propagandas para o público em geral", acrescentou Sato que também é especialista em gestão de marcas.

Confira mais comerciais com inclusão de algum tema LGBT, como casamento por exemplo, mas que são direcionados ao público em geral.

Comercial Boticário Dia dos Namorados - gerou muita polêmica e boicote em 2015, mas arrebatou o Grand Effie (prêmio máximo da publicidade) no Effie Wards Brasil.



Comercial Doritos "Told You So" (Não te falei? - tradução livre) de 2011 - utilizando a metáfora, não se sabe se o marido da vizinha gosta do salgadinho ou dos corpinhos de seus vizinhos gays.



Comercial de carro Volvo - Recentemente, a marca sueca revelou o mais novo design de um de seus carros com um anúncio inclusivo LGBT. Casais variados, entre os quais formados homens e mulheres, vivem vidas diferentes em momentos igualmente intensos proporcionados pelo carro. Tudo isso acompanhado por aquela música de fundo que arrepia os cabelinhos da nuca.


Para finalizar, a emocionante campanha irlandesa "Bring Your Family With You" (Traga Sua Família Com Você) que convocou a população para votar no referendo de casamento gay.  Em 23/05/2015, o "Sim" teve 62% de vantagem. Cerca de 3,2 milhões de pessoas foram às urnas, inclusive irlandeses que não moram no país voltaram só para participar da votação, informou a BBC

No vídeo, os filhos procuram e chamam seus pais para a votação. Alguns pais desaparecem para apreensão dos filhos, mas no final tudo dá certo.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.