A Nike vem realizando sucessivos anúncios inclusivos com integrantes das minorias, lançando produtos para mulheres muçulmanas e plus-size e campanhas colaborativas de igualdade de gênero, sexo e raça. 

Antes da chegada do Dia Internacional das Mulheres, a Nike produziu um vídeo só com atletas femininas muçulmanas. Sob o título sugestivo "O que dirão de você?", meninas e mulheres praticam alguma espécie de esporte enquanto são observadas por seus conterrâneos mais velhos com ar de reprovação.



A Nike explica que enaltece as mulheres árabes que partiram em busca de seus sonhos, apesar dos rígidos papéis de gênero de seu país e dos julgamentos de suas comunidades.

Na última semana, a empresa surpreendeu com o lançamento de sua primeira coleção de roupas esportivas para mulheres plus-size. Os trajes usados remetem à mesma ideia das malhas usadas por modelos magras: coladas no corpo.

Nike-Divulgação: "Reconhecemos que as mulheres estão mais fortes, corajosas e firmes do que nunca."
“Reconhecemos que as mulheres estão mais fortes, corajosas e firmes do que nunca. Elas celebram a diversidade em todos os sentidos e promovem uma visão positiva do corpo, algo que todos devem apoiar”, afirma a empresa em comunicado.
Veja mais fotos da campanha plus-size.


Agora, a Nike voltou a focar nas mulheres muçulmanas. "Pro Hijabs" é o título de sua campanha para divulgar a linha de hijabs concebida para atletas islâmicas. Criada especialmente para o esporte, o véu representa a privacidade e a moralidade, comportamentos muito valorizados pela cultura islâmica.

Nike divulgação
Zahra Lari, dos Emirados Árabes ajudou Nike a elaborar os hijabs

Nas olimpíadas do Rio, algumas atletas muçulmanas competiram com seus próprios hijabs porque até então nenhuma marca voltada ao esporte fabricava. Embora as atletas tenham colaborado com a elaboração, testado e aprovado a peça, a Nike pretende lançar os hijabs somente em 2018.

Doaa Elghobashy, Egito, atleta do vôlei de praia nas Olimpíadas do Rio
O mês de fevereiro tem relação com a visibilidade negra nos EUA. Pensando nisso, a Nike lançou recentemente a campanha denominada "Equality" (Igualdade) reforçando a luta contra a intolerância. O vídeo mostra que dentro das quadras somos todos iguais e devemos seguir o exemplo também fora delas.


A campanha é toda em P&B e tem fundo musical de Alicia Keys ("A Change Is Gonna Cone").  O filme é estrelado por atletas de elite de diferentes categorias, entre outros: LeBron James, Serena Williams, Kevin Durant, Gabby Douglas e Megan Rapinoe.

Até agora mostramos campanhas de 2017, mas não podemos esquecer quem em julho de 2106, a Nike lançou o vídeo “Unlimited You” (Você sem limites), protagonizado por Chris Mosier, primeiro atleta transgênero da história dos Estados Unidos. Ele competiu com homens nos jogos olímpicos Rio 2016.


Se por um lado, a Nike é criticada por contratar serviços de fábricas de calçados desportivos que exploram trabalhadores sem garantir o mínimo de direitos básicos - em países cuja mão de obra é muito barata (Taiwan, Tailândia, Indonésia, entre outros) -, por outro, a multinacional já foi apontada, em pesquisa da Calvert, de 2013, como umas das 15 empresas que possuem mulheres e integrantes de minorias sociais entre os cinco funcionários mais bem pagos no seu quadro de funcionários. O estudo foi feito com 100 empresas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.