O dramaturgo norte-americano Peteson Toscano (foto) um dia acreditou que podia se tornar heterossexual e pagou cerca de R$60 mil para o que seria sua conversão.

Ele tentou de tudo: exorcismo, pai de santo, terapia reparadora, conversão, casou com mulher, etc. O site da BBC só não informou se ele tentou meio menos onerosos, como simpatias, orações, etc.

A ficha caiu aos 47 anos. As investidas serviram pelo menos para Peterson se certificar de que não adianta perder tanta vida lutando contra sua natureza. A notícia sobre ele rodou o mundo em 2012 pra ficar registrado que quem nasce gay morre gay - você pode optar por levar uma vida heterossexual, mas não se tornar um.

A rejeição de Peterson, hoje com 52 anos, é decorrente de sua devoção evangélica. Para dificultar mais seu conflito, ele é de família tradicional ítalo-americana do estado de Nova York. Seu conselho aos desavisados:
"Vivi numa época onde o termo "gay" era sinônimo de aids. Sentia que eu fazia algo errado pelo qual poderia ser punido em outra vida. Por isso, sentia muito medo e desespero terríveis. Dezessete anos depois, finalmente acordei e retomei a razão. Aos que não aceitam sua orientação sexual, afirmo que todas as práticas existentes no mundo não ajudam em nada e só causam danos psicológicos."
Toscano agora está casado com um homem, tem blog e canal no YouTube. Seu trabalho é tentar conscientizar e evitar que outros gays sofram os mesmos danos ou pesadelos. Ele criou a comunidade "Beyond Exgay" para sobreviventes de experiências para se tornar ex-gay.

O dramaturgo atua também como comediante e ativista gay que explora, de forma divertida, questões relacionadas a mudanças climáticas, de gênero e religião.

Então, você está feliz com sua homossexualidade ou, se houvesse um jeito, você pagaria para se tornar heterossexual?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.