Silvero Pereira - Divulgação Instagram
O ator Silvero Pereira conta que sofreu preconceito da classe artística que o estigmatizou por interpretar travestis, mas diz que foi esse universo que o proporcionou reconhecimento artístico. 

No capítulo de "Força do Querer" que foi ao ar neste sábado (27/5), a travesti Elis Miranda (Silvero Pereira) foi flagrada por Biga (Mariana Xavier), sua colega de trabalho que não sabia nada sobre a identidade de gênero feminina do "retraído" motorista do patrão de ambos, Eurico (Humberto Martins), um homem inseguro e machista.


Chocada, Biga pergunta: - Você é trans?
 - Não, trans não. Eu sou travesti. E meu sonho é um dia me transformar numa artista transformista - respondeu Elis, segura de si.

Com essa fala das personagens, a novela levanta uma questão sobre a qual muita gente duvida: travesti é a mesma coisa que transexual? 

Há uma diferença, segundo a psicóloga Isabel Amora [Correio Brasiliense,  "Que T é esse?"]: a travesti não se sente desconfortável com sua genitália e, "de maneira geral, não tem necessidade de se submeter à cirurgia de redesignação sexual". Já a transexual "tem um sentimento de mal-estar ou de inadaptação por referência a seu próprio sexo e do desejo de submeter-se a uma intervenção cirúrgica".

Silvero Pereira, 35 anos, é de Mombaça (Ceará) e fundador de duas companhias de teatro em Fortaleza: a Inquieta Cia. de Teatros e o Coletivo Artístico As Travestidas [Site Diário de Quixadá]. 

Divulgação - Instagram
Ele foi descoberto por Glória Perez, autora de "Força do Querer", novela que pretende discutir a "diversidade, a tolerância, as dificuldades de compreender e aceitar o que é diferente, e fala do embate entre o querer e os limites éticos e morais que permeiam as escolhas", segundo resumo do site Gshow.

Glória conheceu Silvero em 2016, quando ainda pesquisava sobre sexualidade para a sua obra. Após assistir "BR-Trans", monólogo no qual o ator narra histórias reais de travestis e transexuais brasileiras que conheceu ao longo de catorze anos, ela o procurou. Ambos trocaram ideias sobre esse universo e com isso aconteceu a participação de Silvero na trama na pele da travesti Elis Miranda.

Caetano Veloso sobre Silvero Pereira no monólogo BR-Trans: "Gênio". Divulgação.
Outra artista que se encantou com a peça BR-Trans e com o trabalho de Silvero Pereira foi Marília Gabriela. Ela entrevistou o ator em dezembro de 2016 em seu canal do Youtube, Marília Gabi Gabriela - veja o vídeo na íntegra mais abaixo. 

Um dos destaques do bate-papo é quando o ator explica que só percebeu que ele não é uma travesti ao interpretar uma no palco, deixando a entender que experimentou esse universo mais intensamente.  

- Eu só descobri que não sou travesti fazendo isso [interpretando].
- Eu não tenho vergonha de dizer isso porque é muito importante dizer isso para as pessoas.
- Eu sofri muito preconceito da classe artística de achar que, mesmo o teatro sendo um lugar permissivo, quando você começa a se travestir no teatro, eles acham que você não é mais artista; que você agora vai para o gueto, para a boate; que você está desistindo de fazer teatro para ser a sua identidade de gênero [...].

Na pele de Elis Miranda em "A Força do Querer"
"Eu acho que nós temos uma dívida muito grande com as travestis, com as transformistas, pelo histórico que a gente tem, se imaginar desde o teatro, de seu surgimento, até passar por Shakespeare, quando surge esse termo "Drag" que é o "dress as a girl", os homens que fazem a Julieta, a Ofélia, a Gertrudes e tal, e aí, só depois que a gente tem essa ideia do drag como esse lugar de se travestir para fazer gênero e diversidade, porque antes se travestia para fazer mulher. Agora se traveste para assumir essa identidade."
- Então eu sofri muito. Fui tachado no Ceará como um ator que não era mais ator e que não era mais professor de teatro. Eu tinha uma escola de travestis e não formava mais atores, eu formava travestis.
- Quando eu digo que eu sinto orgulho de dizer que foi no teatro, me travestindo, que descobri que eu não sou travesti, porque eu entendi melhor essa identidade, sabe? Entendi melhor o que é ser travesti, o que é ser transexual, o que é ser transformista.

No vídeo, o artista fala sobre sexualidade e de sua trajetória artística e pessoal. Assista.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Para se cadastrar, preencha o formulário na coluna do lado direito do blog.
Seu comentário é bem vindo, desde que:
1. possua nome e link válidos;
2. não contenha cunho racista, discriminatório ou ofensivo a pessoa, grupo de pessoas ou instituições;
3. não contenha cunho de natureza comercial ou propaganda.
Grato pela compreensão.